sicnot

Perfil

Economia

Taxa de desemprego da OCDE desceu para 6,8% em 2015

A taxa de desemprego nos países da OCDE terminou em 2015 em 6,8%, menos 0,6 pontos percentuais do que em 2014 e que se traduz num total de 41,4 milhões de desempregados, indicou hoje a organização.

A OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), que publicou hoje os dados mensais agregados dos países membros, sublinhou num comunicado que na zona euro a taxa de desemprego caiu para 10,9%, menos 0,7 pontos percentuais do que no ano anterior.

Portugal, com uma taxa de desemprego de 12,6%, terminou o ano como o segundo país com mais desempregados da OCDE, a seguir a Espanha, que acabou o ano passado com uma taxa de desemprego de 22,1%. A Itália ficou na terceira posição, com uma taxa de 11,9%.

No extremo oposto, o Japão e a Coreia do Sul foram os países com menos população desempregada, com taxas de desemprego de 3,4% e de 3,6%, respetivamente.

As maiores quedas da taxa de desemprego em 2015 ocorreram em Espanha, com uma descida de 2,4 pontos percentuais para 22,1%, e na Irlanda e na Eslováquia, onde se verificaram quedas de 1,9 e 1,7 pontos percentuais para 9,4% e 11,5%, respetivamente.

A taxa de desemprego entre jovens, com idades entre os 15 e os 24 anos, em 2015 foi de 13,9% no conjunto da OCDE, percentagem que se elevou para 22,5% na zona euro e 20,4% na União Europeia (UE).

Por géneros, a taxa de desemprego das mulheres foi de 6,9% no conjunto da OCDE, de 11% na zona euro e de 9,5% na UE, percentagens que entre os homens foram de 6,7%, de 10,7% e de 9,4%, respetivamente

  • A menina síria que relata a guerra no Twitter está bem, diz o pai

    Mundo

    Bana Alabed, a menina síria de 7 anos que conta no Twitter a luta pela sobrevivência e os horrores da guerra em Alepo, teve de abandonar a sua casa que foi bombardeada mas está bem, disse hoje o seu pai à Agência France Press. A conta esteve fechada domingo, mas foi entretanto reativada e tem hoje uma nova publicação de Bana.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.