sicnot

Perfil

Economia

Audi aumenta as vendas de veículos em janeiro

A Audi aumentou as vendas de carros em janeiro, com um crescimento de 4% nos veículos vendidos para 143.150 carros, disse hoje a empresa.

© Dado Ruvic / Reuters

A Audi afirmou ainda que o crescimento na Europa foi ainda maior do que o registado a nível global, de 6,5% para 59.900 unidades. A marca não desagregou os dados para Portugal.

A Audi pertence ao Grupo Volkswagen, que o ano passado foi atingido pelo escândalo da alteração das emissões nos motores a diesel.

Em causa está a instalação em 11 milhões de veículos de um dispositivo para manipular os testes antipoluição.

Apesar deste escândalo, o ano passado, a Volkswagen foi líder de vendas na União Europeia, tendo matriculado um total de 3.377.799 veículos, mais 6,1% veículos do que em 2014.

Dentro do grupo alemão, todas as marcas acabaram em alta em 2015, com a Porsche a registar mais 25,7% de veículos do que em 2014 (63.530 unidades), a Skoda mais 6,1% (588.104), a Audi mais 5,7% (738.051) e a Seat mais 2,8% (327.930).

Atrás do consórcio alemão ficaram em 2015 os grupos franceses PSA Peugeot Citroen (com mais 6,2% para 1.448.819 unidades) e Renault (com mais 9,2% para 1.334.556 unidades).

A Ford foi o quarto fabricante com mais matrículas efetuadas, tendo registado mais 8,6% face a 2014 para 999.224, enquanto em quinto lugar se posicionou o Grupo Opel, que avançou 2,4% para 928.712 unidades.

Lusa

  • Elemento dos Super Dragões com medida de coação mais gravosa
    1:37

    Desporto

    Os seis arguidos da Operação Jogo Duplo, que investiga crimes de corrupção e viciação de resultados na II Liga de futebol, saíram em liberdade. A medida de coação mais gravosa é para um membro da claque Super Dragões, que terá de pagar uma caução de 5 mil euros.

  • Mais de 120 pessoas com hepatite A
    2:23

    País

    O surto de hepatite A já infetou 128 pessoas, 60 das quais estão internadas em hospitais de Lisboa e Coimbra. A Direção-Geral da saúde recomenda a vacinação apenas aos familiares dos doentes. Apesar de não haver ruptura de stocks, há farmácias que não têm vacinas.

  • Sobreviventes de Mossul relatam mutilações e execuções do Daesh
    1:32