sicnot

Perfil

Economia

Economista Daniel Bessa pediu demissão da COTEC

O economista Daniel Bessa pediu a demissão de diretor-geral da COTEC Portugal - Associação Empresarial para a Inovação, confirmou esta quarta-feira a entidade, que considerou que o ex-ministro ajudou a promover a competitividade das empresas portuguesas.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

"No âmbito desta decisão, a Direção da COTEC Portugal expressa publicamente o seu agradecimento pela dedicação, capacidade e valiosos contributos que o professor Daniel Bessa sempre prestou a esta Associação, ao longo dos mais de 6 anos que desempenhou neste cargo", lê-se no comunicado hoje divulgado pela COTEC.

A direção da COTEC diz que aceitou o pedido de demissão de Daniel Bessa, que era diretor-geral desde junho de 2009, afirmando que o ex-ministro da Economia do Governo socialista de António Guterres contribuiu no cargo para a "prestigiada atividade da COTEC", assim como para "a promoção do aumento da competitividade das empresas portuguesas".

No comunicado, hoje divulgado, não é dada indicação de quem substituirá Daniel Bessa, afirmando apenas que "em momento oportuno a Direção da COTEC dará conhecimento de mais desenvolvimentos". Conta com mais de 300 associados, tendo nos seus órgãos empresas como a CTT, a José de Mello, a Portucel, a Brisa, a Amorim, a EDP, a Galp Energia, o Santander Totta, a Mota-Engil, a NOS, a Renova, a SAP, a SECIL, a Siemens ou a Unicer.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.