sicnot

Perfil

Economia

DECO exige extensão do prazo de validação de faturas no e-fatura

A DECO exigiu hoje a extensão do prazo de validação das faturas no portal e-fatura, apelando ao Ministério das Finanças que crie as "condições necessárias" para ajudar os contribuintes a cumprir as suas obrigações fiscais.

(SIC/ Arquivo)

"Estão reunidas as condições para se exigir a extensão do prazo de validação das faturas. É, ainda, indispensável que as Finanças criem as condições necessárias para ajudar os contribuintes a cumprir as suas obrigações fiscais", defende a associação de defesa do consumidor em comunicado.

A DECO considera que o apoio da máquina fiscal no esclarecimento dos contribuintes que pretendam utilizar o e-fatura "é insuficiente", até porque tem recebido "crescentes pedidos de apoio" dos contribuintes, e por isso diz que "é indispensável" uma extensão do prazo.

A associação afirma que registou "um aumento de 35% no seu serviço de apoio telefónico na última semana, face a igual período do ano anterior", assim como "uma grande utilização" da plataforma de apoio online www.irssemcusto.pt, que já ajudou "mais de 17 mil contribuintes" a esclarecer a suas dúvidas.

"A DECO considera portanto, que estão reunidas as condições para se exigir a extensão do prazo de validação das faturas. É, ainda, indispensável que as Finanças criem as condições necessárias para ajudar os contribuintes a cumprir as suas obrigações fiscais", conclui.

O prazo de validação de faturas no sistema 'online' e-fatura termina já na segunda-feira, dia 15 de fevereiro.

Lusa

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.