sicnot

Perfil

Economia

Economia portuguesa cresceu 1,5% em 2015

O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,5% no ano passado, segundo as estimativas do Instituto Nacional de Estatística (INE). São números que estão em linha com as expetativas dos analistas e também com as previsões do governo de António Costa.

© Hugo Correia / Reuters

Os dados divulgados hoje pelo INE revelam ainda que, nos últimos três meses de 2015, o PIB aumentou 1,2%, em relação ao trimestre anterior.

No final do ano houve uma redução no investimento, mas por outro lado as exportações de bens e serviços cresceram.

O anterior governo antecipou que a economia crescesse 1,6% em 2015, uma projeção que constava do Programa de Estabilidade 2015-2019, conhecido em abril do ano passado.

Já a previsão mais recente do atual Governo foi incluída no relatório da proposta do Orçamento do Estado para 2016, apresentado a 05 de fevereiro, e indicava que a economia portuguesa tivesse crescido 1,5% em 2015.

O crescimento do PIB hoje divulgado pelo INE, de 1,5%, confirma também as projeções dos credores internacionais, uma vez que o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Comissão Europeia antecipavam que o PIB português aumentasse 1,5% no ano de 2015.

Última atualização às 10:25

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.