sicnot

Perfil

Economia

Governo prevê criar 6.500 empregos por ano com investimentos ferroviários até 2020

O Governo estima a criação de cerca de 6.500 postos de trabalho por ano com o plano de investimentos ferroviários 2016-2020, disse hoje o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

"É um desafio também em nome do emprego em Portugal. Além do aumento de competitividade para as nossas empresas de transporte de mercadorias, estima-se em 6.500 postos de trabalho por ano que vamos ter ao longo de todos os anos em que vamos estar a desenvolver este trabalho", disse Pedro Marques na apresentação do plano de investimento ferroviário 2016-2020.

"Estarmos a criar este emprego todo em Portugal quando queremos relançar economia e emprego é um contributo importante do investimento público para relançar o crescimento e o emprego", acrescentou.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas apresentou esta tarde, juntamente com o presidente da Infraestruturas de Portugal (IP), António Ramalho, o plano de investimentos ferroviários 2016-2020, que conta com um apoio financeiro da União Europeia de mil milhões de euros.

No final da apresentação, Pedro Marques disse que os investimentos começam já este mês e que se prevê um investimento global de 460 milhões de euros por ano.

O programa está "muito focado na melhoria da competitividade do transporte ferroviário de mercadorias", nomeadamente nos corredores internacionais norte -- que ligam os portos de Leixões e de Aveiro a Espanha - e do sul, através de Elvas e na fronteira de Caia.

O ministro destacou ainda a construção do novo troço de linha entre Évora Norte e Elvas (via única eletrificada, numa extensão de 79 quilómetros) e a requalificação do troço entre a Guarda e Covilhã.

Entre os objetivos do Governo está a modernização das linhas, a melhoria da qualidade de transporte, mais segurança e estabilidade de velocidade e aumento da capacidade, disse Pedro Marques.

O governante considerou que este plano vai permitir "baixar custos para as empresas".

Pedro Marques avançou ainda que o executivo vai candidatar ao plano Juncker uma intervenção na Linha de Cascais, para uma "otimização da infraestrutura", admitindo que "está a analisar, a possibilidade de acrescentar, ou por modernização ou por aquisição, novo material circulante".

O Governo está em conversações com o operador, a CP, sobre essa matéria, disse, acrescentando que "o Governo tem a opção clara de que não haverá novas concessões" e que, assim, "não será através de uma nova concessão que este investimento será realizado".

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.