sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo de Sousa acusa PSD e CDS de agitarem "espantalhos do medo"

O secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), Jerónimo de Sousa, acusou hoje PSD e CDS-PP de agitarem os "espantalhos do medo" em torno do Orçamento do Estado, procurando "semear o desânimo" entre os portugueses.

PAULO CUNHA

"Tem sido escandaloso ver PSD e CDS-PP papaguear a linguagem dos mandantes, a aplaudir todo e qualquer despacho de Bruxelas", vincou Jerónimo de Sousa, que falava em Lisboa num encontro de quadros do jornal Avante!, órgão do partido.

Os partidos da direita, que "tanto mal" fizeram aos cidadãos nos últimos quatro anos, agitam agora os "espantalhos do medo" também porque temem que o exemplo governativo português - com um executivo do PS apoiado parlamentarmente por outras forças - seja replicado "noutras paragens".

"Talvez também por isso, a dose de veneno que expelem contra o PCP não seja por acaso", sublinhou Jerónimo de Sousa.

Perante algumas dezenas de militantes comunistas, o secretário-geral do PCP advertiu que "cada pequeno avanço, cada pequena conquista, cada medida alcançada a favor dos trabalhadores e do povo" tem pela frente uma "brutal desinformação" apoiada numa "campanha de forças saudosistas da 'troika'".

No que refere à proposta de Orçamento, atualmente em discussão no parlamento em sede de especialidade, Jerónimo criticou também PSD e CDS-PP por virem "agora chorar" por haver aumento da carga fiscal em setores como a banca ou os fundos imobiliários, "aqueles que eles [PSD/CDS-PP] acham que não deviam ser tocados".

"Nós defendemos que quem mais tem, quem mais lucra, mais deve pagar. Quem menos tem, menos deve pagar", sustentou o secretário-geral do PCP.

O jornal Avante!, que está a assinalar 85 anos de existência, metade dos quais na clandestinidade como órgão antifascista, continua a afirmar-se hoje como um instrumento do PCP em prol dos trabalhadores.

Jerónimo começou a sua intervenção na sessão desta tarde por traçar uma cronologia do Avante!, órgão de informação que é uma "arma insubstituível" do PCP ao longo dos anos.

Apesar das "muitas tentativas de silenciamento" ao longo dos anos, o título mantém-se como o "porta-voz" por uma "política patriótica de esquerda", vincou o líder comunista.

"O reforço do Avante! significará sempre o reforço do partido", prosseguiu Jerónimo de Sousa.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.