sicnot

Perfil

Economia

Transportadoras exigem ao Governo redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo

As duas associações que representam o setor dos transportadores de mercadorias decidiram hoje apresentar na próxima semana um pacote de medidas ao Governo, exigindo a redução de 20 cêntimos no preço do gasóleo.

© Rafael Marchante / Reuters

O gasóleo "20 cêntimos mais barato" é a principal exigência da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), que reuniram hoje em Pombal, distrito de Leiria, num encontro que pretendia definir ações em defesa do setor, na sequência do aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP).

O presidente da ANTRAM, Paulo Duarte, que falava aos jornalistas a meio da reunião na condição de porta-voz das duas associações, defendeu uma equiparação do preço do gasóleo àquele que é praticado em Espanha, sendo para tal necessária uma redução de 20 cêntimos.

Segundo o dirigente, se "em Espanha são competitivos" em relação ao preço do gasóleo, essa competitividade também deve ser possível de se alcançar em Portugal, recordando ainda que o atual preço do gasóleo leva a que as transportadoras optem por abastecer em Espanha.

"Queremos ser competitivos no setor de que Portugal tão precisa, que é o setor das exportações", bem como na circulação de produtos no mercado interno, vincou.

Numa reunião realizada à porta fechada e em que "os ânimos não estão calmos", já se chegou à decisão de se entregar um documento com "pelo menos seis medidas" ao Governo no início da próxima semana, informou Paulo Duarte.

As duas associações irão esperar por "uma resposta concreta na semana seguinte" e, mediante a resposta do Governo, poderão tomar "outro tipo de medidas e de luta", disse, sem querer adiantar que outras ações poderão tomar.

Paulo Duarte optou por não divulgar as medidas inscritas nesse documento à exceção da exigência de redução do preço do combustível, mas afirmou que o pacote de propostas é "verdadeiramente exequível" e que podem tocar na "redução de custos de contexto", entre outras áreas.

Segundo o presidente da ANTRAM, foi "muito difícil" convencer os representantes das transportadoras reunidos em Pombal em avançar para a entrega deste pacote de medidas, porque "há muitos anos" que o setor apresenta propostas, mas "a recetividade não tem sido a melhor".

A proposta do Orçamento do Estado para 2016 determina o aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) em seis cêntimos por litro na gasolina sem chumbo e no gasóleo rodoviário e três cêntimos por litro no imposto aplicável ao gasóleo colorido e marcado (gasóleo verde ou agrícola).

Com esta medida, o Governo pretende arrecadar mais 360 milhões de euros e, assim, compensar a descida das cotações do petróleo nos mercados internacionais, que levou a uma perda de receitas para o Estado.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.