sicnot

Perfil

Economia

Transportadoras reúnem-se hoje para definirem ações em defesa do setor

Os transportadores rodoviários de mercadorias reúnem-se hoje à tarde em Pombal, distrito de Leiria, para definir ações de protesto em defesa do setor, na sequência do aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP).

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

As empresas associadas da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) sentem-se penalizadas pelo aumento do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP), anunciado aquando da apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2016 mas que já entrou em vigor esta sexta-feira, e considera que o benefício fiscal proposto pelo Governo para compensar parcialmente o aumento dos custos fiscais iria mesmo agravar "a pressão sobre a tesouraria das empresas".

"Os seis cêntimos [por litro] que me pedem a mais pelo gasóleo são diretos e a majoração só viria em maio de 2017, se a empresa desse lucro. Não vamos financiar o Estado durante um ano e meio", afirmou o presidente da Antram, Gustavo Paulo Duarte, em declarações à Lusa.

O responsável explicou que já entre 2009 e 2012 houve um benefício fiscal e que "nenhuma empresa conseguiu realmente aplicar esta majoração", devido a ter sido definido um teto máximo do código de IRC para receber o benefício.

Sobre se do encontro de hoje poderá sair uma paralisação das transportadoras rodoviários de mercadorias, Gustavo Paulo Duarte disse que "a ANTRAM defenderá sempre a não paralisação para não prejudicar as empresas que são clientes, que devem ser as últimas a ser prejudicadas", mas também disse que a paralisação é o protesto que a associação pode ter "como moeda de troca".

Na quinta-feira à noite, e para surpresa dos operadores do mercado, o Governo publicou em Diário da República do aumento do ISP, com a subida de seis cêntimos por litro do imposto aplicável à gasolina sem chumbo e ao gasóleo rodoviário e de três cêntimos por litro no imposto aplicável ao gasóleo colorido e marcado (gasóleo verde ou agrícola), os quais entraram em vigor na sexta-feira.

A subida do ISP foi anunciada aquando da apresentação da proposta do Orçamento do Estado para 2016 para compensar a descida das cotações do petróleo nos mercados internacionais, que levou a uma perda de receitas para o Estado. Com esta medida, o executivo de António Costa poderá arrecadar mais cerca de 400 milhões de euros este ano.

É de referir que o valor a pagar pelos consumidores deverá ser superior aos anteriormente referidos, uma vez que o aumento do ISP também faz aumentar a base sobre a qual incide o IVA. Por exemplo, no caso tanto da gasolina sem chumbo como do gasóleo, o aumento total deverá ser de 7,38 cêntimos.

Uma vez que as empresas de transporte e os táxis são das atividades económicas mais afetadas por este aumento, o Governo referiu que pondera conceder-lhes um benefício fiscal para as compensar parcialmente deste custo acrescido.

O Encontro Nacional de Transportadores, promovido pela Antram, decorre pelas 14:30 (hora de Lisboa), no Auditório Municipal de Pombal.

Lusa

  • Bombeiros ficaram de prevenção após intoxicação em Corroios
    1:16

    País

    17 alunos da escola EB 2+3 em Corroios, no Seixal, foram hospitalizados esta segunda-feira com sintomas de intoxicação alimentar. Os alunos, entre os 7 e os 14 anos, foram transportados 12 para o hospital Garcia de Orta, em Almada e cinco para o hospital do Barreiro. O transporte foi feito pelos bombeiros voluntários da Amora e do Seixal mantiveram uma equipa de socorro no local apenas por prevenção.

  • "Nada mais há a dizer" sobre a Caixa
    0:13

    Caso CGD

    O primeiro-ministro voltou esta segunda-feira a dizer que já não há nada para discutir, na polémica sobre a entrega de declarações de património dos gestores da CGD. Foram as declarações de António Costa, na Cidade da Praia, à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

  • Venda do Novo Banco terá que ser negociada em Bruxelas
    0:43

    Economia

    A venda do Novo Banco vai ter que ser negociada com Bruxelas, uma vez que o Lone Star planeia agora ficar com 65% da instituição, obrigando o Estado a manter uma posição no banco. O ministro das Finanças lembra que esta também era uma possibilidade mas salienta que o assunto está nas mãos do Banco de Portugal.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Modelo obrigada a prometer que não volta a arriscar a vida numa sessão fotográfica
    1:46