sicnot

Perfil

Economia

CDS acusa Governo de ter omitido eventual entrada de capital chinês na TAP

O CDS acusou hoje o Governo de ter omitido aos portugueses e ao parlamento a eventual entrada de capital chinês na TAP, e acusou o PCP e o BE de darem "cobertura" aos atos do executivo.

"Não está em causa o facto de o possível investidor ser chinês. Não está em causa a companhia em questão, que tem dimensão. Está em causa que o Governo foi duas vezes ao parlamento e fez várias cerimónias públicas em que omitiu absolutamente este facto e escondeu infantilmente esta cláusula. Este Governo acha que pode enganar o parlamento e os seus sócios, o BE e o PCP, dão cobertura", afirmou fonte da direção do CDS à agência Lusa.

As reações do CDS surgem um dia depois de o semanário Expresso ter noticiado na sua edição de sábado que o "Governo deixa entrar chineses no capital da TAP", sublinhando que o executivo de António Costa "assinou cláusula" para a HNA ter 10 por cento da empresa.

O CDS assinalou ainda que, da mesma forma que o Governo, "em três meses, não disse a verdade sobre os exames do ensino básico e secundário e os impostos", também "não disse a verdade ao parlamento sobre as cláusulas escondidas do negócio da TAP".

"Para quem falava tanto em qualidade da democracia estamos conversados", rematou a mesma fonte.

No âmbito do acordo alcançado entre o Governo e o consórcio Gateway, o Estado vai pagar 1,9 milhões de euros para ficar com 50% da empresa (em vez de 34%), enquanto o consórcio privado vai passar de 61% do capital da companhia para 45%, podendo chegar aos 50%, com a aquisição do capital à disposição dos trabalhadores.

O Estado passa ainda a nomear o presidente do conselho de administração da companhia aérea, composto por 12 elementos - seis escolhidos pelo Estado e seis pelo consórcio privado. Já a comissão executiva, liderada por Fernando Pinto, terá três membros, nomeados pelos acionistas privados.

Lusa

  • Português de 15 anos morre em estância de esqui em Espanha

    País

    Um jovem português morreu esta quarta-feira numa estância de esqui, em Espanha. O rapaz de 15 anos queixou-se de dores de cabeça e foi transportado para a Unidade de Cuidados de Saúde da Estância de Esqui, onde acabou por morrer.

    Em desenvolvimento

  • Europa num clima de tensão parecido ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial
    2:18

    Mundo

    O populismo e a demonização do outro estão a conduzir a Europa a um clima de tensão semelhante ao dos anos que antecederam a 2.ª Guerra mundial. A conclusão é do relatório anual da Amnistia internacional, que denuncia ainda que 2016 foi um ano de "implacável miséria e medo" para milhões de pessoas. Embalados pelo discurso do medo, vários governos recuaram nos direitos humanos.