sicnot

Perfil

Economia

Pensões com carrreiras contributivas longas serão recompensadas, diz ministro

O ministro do Trabalho e da Segurança Social afirmou que as pensões com carreiras contributivas mais longas vão ser recompensadas e adiantou que a Taxa Social Única dos trabalhadores com salários até 600 euros pode baixar em 2017.

Arquivo SIC

Em entrevista ao Diário de Notícias e à rádio TSF, divulgada hoje, Vieira da Silva indicou que a ideia é que as pessoas com carreiras contributivas longas sejam recompensadas.

"O novo sistema de reformas antecipadas irá obviamente tratar de uma forma mais favorável essas pessoas", realçou, salientando que ainda "não está em condições de dizer a partir de que idade é que as pessoas poderão ter acesso à reforma antecipada no novo sistema".

Na entrevista, Vieira da Silva reconheceu que nem todos os compromissos estão a avançar como inicialmente previsto e lamentou, por isso, que não tenha sido possível avançar já este ano com a descida da taxa social única (TSU) dos trabalhadores que ganham até 600 euros.

"O programa do governo é para quatro anos e eu gostaria que, por exemplo, em meados deste ano se dessem passos nesse sentido. Estou confiante de que seja possível já em 2017 voltar a colocar essa medida em cima da mesa", adiantou.

O ministro do Trabalho e da Segurança Social assumiu também na entrevista que as subidas do salário mínimo não podem ser indiferentes à conjuntura económica.

Vieira da Silva disse que o Governo pretende que o salário mínimo atinja os 600 euros em 2019, sublinhando que no "âmbito das negociações em concertação social, já tinha ficado acordado que será discutida uma atualização de médio prazo, tendo em conta a evolução da produtividade, a competitividade, a inflação, as necessidades dos trabalhadores e a situação do emprego".

Questionado sobre se as empresas não vão ter dificuldades em suportar o aumento o salário mínimo, o governante disse que "a generalidade das empresas tem condições".

"Hoje, para muitas empresas é mais fácil, o que pode parecer um pouco um paradoxo, mas é mais fácil suportar nos seus custos um acréscimo maior a nível salarial porque elas ganharam capacidade competitiva noutras áreas. É mais fácil do que era há cinco ou seis anos", disse.

O ministro da Segurança Social disse ainda que em conjunto com os parceiros sociais vai acompanhar os desenvolvimentos do mercado de trabalho a cada três meses para "verificar se esta evolução está a causar algum problema ou se está a ser assumida e absorvida pela economia com naturalidade".

Na entrevista ao DN e à TSF, Vieira da Silva salientou também que não deverá fazer uma grande reforma da Segurança Social, frisando que "seria desadequado", porque "a economia portuguesa e a sociedade portuguesa precisam de estabilizar, precisam de que não se esteja permanentemente a mudar todas as regras".

Quanto à austeridade, Vieira da Silva disse que essa "página está a ser virada", se se comparar as políticas previstas pelo governo anterior (onde se previa um corte de 600 milhões nas pensões) com o orçamento para 2016.

"Podemos dizer que o modelo de política económica da austeridade foi substituído por uma outra política. Se me perguntar se é uma política económica claramente expansionista, de grande estímulo à economia pública e privada, ao investimento, obviamente que as condições não nos permitem fazer esse tipo de opção", declarou.

No entender de Vieira da Silva, o Orçamento do Estado para 2016 "tem uma dose de prudência significativa".

Lusa

  • O que vai mudar no acesso à reforma antecipada no privado
    2:10

    Economia

    A partir do próximo mês, entra em vigor o novo regime de reformas antecipadas para o setor privado. O Governo só quer que se reformem antes do tempo os trabalhadores com 60 anos e com 40 anos ou mais de descontos. É que o regime atual, que permite pedir a pré-reforma aos 55 anos, pode levar a cortes na pensão de mais de metade.

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.