sicnot

Perfil

Economia

Riade, Moscovo, Caracas e Doha acordam congelar produção de petróleo

Os governos da Arábia Saudita, Rússia, Venezuela e Qatar acordaram hoje congelar a produção de petróleo nos níveis de janeiro, informou o ministro da Energia e Indústria do Qatar e presidente de turno da OPEP.

O petróleo começou, assim, o ano em recuperação, com os mercados asiáticos a reagirem a receios de que as tensões geopolíticas no Médio Oriente possam ameaçar o fornecimento de petróleo. (Arquivo)

O petróleo começou, assim, o ano em recuperação, com os mercados asiáticos a reagirem a receios de que as tensões geopolíticas no Médio Oriente possam ameaçar o fornecimento de petróleo. (Arquivo)

© Tom Mihalek / Reuters

"Com o objetivo de estabilizar o mercado do petróleo acordámos congelar a produção nos níveis de janeiro", sublinhou o presidente de turno da OPEP (Organização de Países Exportadores de Petróleo), Mohamed Saleh al Sada, durante uma conferência de imprensa em Doha.

Al Sada adiantou que os outros países produtores de petróleo, sejam ou não membros da OPEP, apliquem a mesma iniciativa.

Com este objetivo, o responsável do Qatar anunciou que liderará proximamente uma ronda de contactos com outros países como o Irão e o Iraque.

Na conferência de imprensa também estiveram presentes o ministro do Petróleo e Recursos Minerais saudita, Ali al Nuaimi, o titular da Energia russo, Alexander Novak, e o ministro do Petróleo venezuelano, Eulogio del Pino

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.