sicnot

Perfil

Economia

Portugal colocou 1.000 M€ em dívida de curto prazo a taxas superiores

Portugal colocou hoje 1.000 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro (BT) a três e 11 meses a taxas de juro superiores às registadas nos anteriores leilões comparáveis, de dezembro, foi anunciado.

(SIC/Arquivo)

(SIC/Arquivo)

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), nestes dois leilões foram colocados 300 milhões de euros em BT a três meses a uma taxa de juro média positiva de 0,008%, superior à mínima de sempre, de -0,023%, verificada em 16 de dezembro.

A procura de BT a três meses foi 2,3 vezes superior ao montante colocado.

Os restantes 700 milhões de euros foram colocados em BT a 11 meses a uma taxa de juro média de 0,100%, também superior à do leilão precedente, de dezembro, de 0,030%.

Em relação à procura de BT a 11 meses, esta foi 1,52 vezes superior ao montante colocado.

O montante indicativo global destas duas emissões anunciado pelo IGCP era entre os 750 e os 1.000 milhões de euros.

A última emissão de BT a 11 meses foi realizada a 16 de dezembro e, na altura, o IGCP colocou no mercado 750 milhões de euros, tendo conseguido uma taxa média de juro de 0,030%.

Também a emissão mais recente de BT a três meses foi a 16 dezembro do ano passado, tendo o IGCP colocado no mercado 248 milhões de euros a uma taxa de juro média de -0,023%.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57

    Mundo

    Um casal foi detido na Califórnia acusado de tortura e escravidão dos 13 filhos: o mais velho tinha 29 anos e a mais nova dois. A polícia encontrou um cenário de horror quando entrou na casa da família, depois de uma das filhas ter fugido pela janela. Crianças e jovens estavam amarrados às camas e todos estavam mal alimentados. Mas nas redes sociais, o casal Turpin divulgava imagens de uma família feliz.

  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45
  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38