sicnot

Perfil

Economia

Portugal emite até 1.000 M€ em dívida de curto prazo

Portugal regressa hoje aos mercados com duas emissões de Bilhetes do Tesouro, uma a três e outra 11 a meses, com o objetivo de arrecadar até 1.000 milhões de euros.

Segundo a informação divulgada pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), os leilões de dívida de curto prazo serão realizados pelas 10:30 (hora de Lisboa) e terão como maturidades 20 de maio de 2016 e 20 de janeiro de 2017, respetivamente.

Com estas duas emissões, a agência liderada por Cristina Casalinho pretende encaixar um montante indicativo global entre os 750 e os 1.000 milhões de euros.

A última emissão de BT a 11 meses foi realizada em dezembro e, na altura, o IGCP colocou no mercado 750 milhões de euros, tendo conseguido uma taxa média de juro de 0,030%.

Também a emissão mais recente de BT a três meses foi em dezembro do ano passado, tendo o IGCP colocado no mercado 248 milhões de euros a uma taxa de juro média de -0,023%

Lusa

  • Advogados de Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático
    2:13

    Operação Marquês

    Os advogados de José Sócrates queixam-se de bullying processual e mediático e garantem que o antigo primeiro-ministro nunca favoreceu Ricardo Salgado ou o Grupo Espirito Santo. Segundo o Expresso, o presidente da Escom, Helder Bataglia, terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, alegadamente para o amigo José Sócrates.

  • Marcelo diz que é hora de valorizar o poder local
    0:40

    País

    O Presidente da República diz que este é o momento para valorizar o poder local. Sobre a descida da Taxa Social Única, Marcelo Rebelo de Sousa recusou comentar e negou que haja crispação politica entre Governo e oposição.

  • Marine Le Pen diz que Brexit terá efeito dominó na UE
    0:39

    Brexit

    Marine Le Pen diz que o Brexit vai ter um efeito dominó na União Europeia. Durante um congresso da extrema-direita, a líder da Frente Nacional francesa afirmou que a Europa vai despertar este ano em que estão marcadas eleições em vários países, como a Alemanha e a Holanda.