sicnot

Perfil

Economia

Petróleo está tão barato que já nem os piratas o querem roubar

Os preços baixos do petróleo estão a diminuir o número de atos de pirataria em alto mar, já que deixou de ser rentável correr tantos riscos, considerou a secretária executiva da Comissão do Golfo da Guiné.

© Tim Wimborne / Reuters

"Com o preço do petróleo em níveis historicamente baixos, valendo menos de 30 dólares por barril, a pirataria já não é um negócio tão rentável como era quando os preços estavam nos 106 dólares, há alguns anos", afirmou a secretária executiva da Comissão do Golfo da Guiné, Adenike Ukonga.

Em entrevista à Bloomberg, a responsável especificou que "a queda do preço contribuiu imenso para reduzir a pirataria e outros crimes marítimos no Golfo da Guiné", mas acrescentou que as nações desta região devem continuar a trabalhar para melhorar a coordenação de segurança.

O número de ataques aos navios que transportam petróleo ainda por refinar caiu mais de 30% no ano passado, segundo um relatório divulgado no mês passado pela consultora britânica Dryad Maritime, no qual considerava provável que os ataques voltassem a aumentar quando o preço subisse novamente.

De acordo com o site noticioso Quartz, que cita um relatório da ONG norte-americana 'Oceans Beyond Piracy', a tendência de descida dos atos de pirataria nesta região da costa de África já tinha começado a descer ainda antes de os preços do petróleo caírem para os níveis a que estavam na sequência dos ataques às Twin Towers, em Nova Iorque, em 2001.

Em 2013, houve cerca de uma centena de ataques na região, dos quais 56 tiveram sucesso, e no ano seguinte o número desceu para 67, dos quais 26 conseguiram o objetivo de roubar efetivamente crude, mas estas são estimativas por baixo, uma vez que esta própria ONG estima que cerca de 70% dos ataques não sejam registados.

Apesar de não haver ainda dados finais, a Dryad Maritime estima que em 2015 o número de ataques não tenha chegado às cinco dezenas.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.