sicnot

Perfil

Economia

OPEP defende congelamento da produção de petróleo

O secretário-geral da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Abdullah El Badri, defendeu, esta segunda-feira, o congelamento da produção de petróleo para fazer face à queda continuada dos preços.

© Thomas Peter / Reuters

El-Badri secundou assim a estratégia da Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia -- os três primeiros são membros da OPEP -- que recentemente alcançaram um acordo para congelar a produção nos níveis de janeiro se outros países apoiarem a medida.

Irão e Iraque também se mostraram dispostos a abraçar a estratégia.

"Este seria um primeiro passo", afirmou El-Badri, durante uma conferência internacional sobre energia (IHS Ceraweek), que se realiza anualmente em Houston, nos Estados Unidos da América.

Segundo o secretário-geral da OPEP, a estratégia deveria prolongar-se durante três ou quatro meses, para avaliar o seu efeito e aplicar novas medidas, que não especificou.

"Se isto funcionar, quem sabe no futuro podemos acordar novos passos", afirmou El-Badri, que ocupou diversos cargos na Líbia de Muammar Kadhafi entre 1983 e 2006, incluindo o de ministro do Petróleo e da Energia.

O secretário-geral da OPEP -- organização que controla 40% da produção mundial -- mostrou-se esperançado que, com um acordo entre potências, os preços voltem a subir em 2017, apesar de reconhecer que a situação atual é preocupante.

Com essa meta, El-Badri admitiu que a colaboração por parte de países que não fazem parte da OPEP, em especial, os Estados Unidos, é necessária.

"Não sei como vamos conviver com o petróleo de xisto produzido nos Estados Unidos", partilhou o mesmo responsável.

O designado petróleo de xisto, extraído com uma técnica que só é rentável com o barril a pelo menos 65 dólares e a estratégia inicial da OPEP de aumentar a produção passava por afastá-lo do mercado.

Esta estratégia teve como consequência a queda progressiva do preço em 2015 e no início de 2016 até aos 26 dólares, o valor mais baixo em 12 anos.

Além de afastar do mercado o petróleo de xisto, este declínio teve graves consequências nas economias de países produtores como a Venezuela e o Irão.

Por isso, na semana passada, Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia acordaram em Doha congelar a sua produção para estabilizar o preço do crude, o que sugere uma mudança de atitude por parte dos sauditas, o principal apoiante da estratégia anterior.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.