sicnot

Perfil

Economia

OPEP defende congelamento da produção de petróleo

O secretário-geral da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Abdullah El Badri, defendeu, esta segunda-feira, o congelamento da produção de petróleo para fazer face à queda continuada dos preços.

© Thomas Peter / Reuters

El-Badri secundou assim a estratégia da Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia -- os três primeiros são membros da OPEP -- que recentemente alcançaram um acordo para congelar a produção nos níveis de janeiro se outros países apoiarem a medida.

Irão e Iraque também se mostraram dispostos a abraçar a estratégia.

"Este seria um primeiro passo", afirmou El-Badri, durante uma conferência internacional sobre energia (IHS Ceraweek), que se realiza anualmente em Houston, nos Estados Unidos da América.

Segundo o secretário-geral da OPEP, a estratégia deveria prolongar-se durante três ou quatro meses, para avaliar o seu efeito e aplicar novas medidas, que não especificou.

"Se isto funcionar, quem sabe no futuro podemos acordar novos passos", afirmou El-Badri, que ocupou diversos cargos na Líbia de Muammar Kadhafi entre 1983 e 2006, incluindo o de ministro do Petróleo e da Energia.

O secretário-geral da OPEP -- organização que controla 40% da produção mundial -- mostrou-se esperançado que, com um acordo entre potências, os preços voltem a subir em 2017, apesar de reconhecer que a situação atual é preocupante.

Com essa meta, El-Badri admitiu que a colaboração por parte de países que não fazem parte da OPEP, em especial, os Estados Unidos, é necessária.

"Não sei como vamos conviver com o petróleo de xisto produzido nos Estados Unidos", partilhou o mesmo responsável.

O designado petróleo de xisto, extraído com uma técnica que só é rentável com o barril a pelo menos 65 dólares e a estratégia inicial da OPEP de aumentar a produção passava por afastá-lo do mercado.

Esta estratégia teve como consequência a queda progressiva do preço em 2015 e no início de 2016 até aos 26 dólares, o valor mais baixo em 12 anos.

Além de afastar do mercado o petróleo de xisto, este declínio teve graves consequências nas economias de países produtores como a Venezuela e o Irão.

Por isso, na semana passada, Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia acordaram em Doha congelar a sua produção para estabilizar o preço do crude, o que sugere uma mudança de atitude por parte dos sauditas, o principal apoiante da estratégia anterior.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20