sicnot

Perfil

Economia

OPEP defende congelamento da produção de petróleo

O secretário-geral da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Abdullah El Badri, defendeu, esta segunda-feira, o congelamento da produção de petróleo para fazer face à queda continuada dos preços.

© Thomas Peter / Reuters

El-Badri secundou assim a estratégia da Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia -- os três primeiros são membros da OPEP -- que recentemente alcançaram um acordo para congelar a produção nos níveis de janeiro se outros países apoiarem a medida.

Irão e Iraque também se mostraram dispostos a abraçar a estratégia.

"Este seria um primeiro passo", afirmou El-Badri, durante uma conferência internacional sobre energia (IHS Ceraweek), que se realiza anualmente em Houston, nos Estados Unidos da América.

Segundo o secretário-geral da OPEP, a estratégia deveria prolongar-se durante três ou quatro meses, para avaliar o seu efeito e aplicar novas medidas, que não especificou.

"Se isto funcionar, quem sabe no futuro podemos acordar novos passos", afirmou El-Badri, que ocupou diversos cargos na Líbia de Muammar Kadhafi entre 1983 e 2006, incluindo o de ministro do Petróleo e da Energia.

O secretário-geral da OPEP -- organização que controla 40% da produção mundial -- mostrou-se esperançado que, com um acordo entre potências, os preços voltem a subir em 2017, apesar de reconhecer que a situação atual é preocupante.

Com essa meta, El-Badri admitiu que a colaboração por parte de países que não fazem parte da OPEP, em especial, os Estados Unidos, é necessária.

"Não sei como vamos conviver com o petróleo de xisto produzido nos Estados Unidos", partilhou o mesmo responsável.

O designado petróleo de xisto, extraído com uma técnica que só é rentável com o barril a pelo menos 65 dólares e a estratégia inicial da OPEP de aumentar a produção passava por afastá-lo do mercado.

Esta estratégia teve como consequência a queda progressiva do preço em 2015 e no início de 2016 até aos 26 dólares, o valor mais baixo em 12 anos.

Além de afastar do mercado o petróleo de xisto, este declínio teve graves consequências nas economias de países produtores como a Venezuela e o Irão.

Por isso, na semana passada, Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia acordaram em Doha congelar a sua produção para estabilizar o preço do crude, o que sugere uma mudança de atitude por parte dos sauditas, o principal apoiante da estratégia anterior.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.