sicnot

Perfil

Economia

OPEP defende congelamento da produção de petróleo

O secretário-geral da Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP), Abdullah El Badri, defendeu, esta segunda-feira, o congelamento da produção de petróleo para fazer face à queda continuada dos preços.

© Thomas Peter / Reuters

El-Badri secundou assim a estratégia da Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia -- os três primeiros são membros da OPEP -- que recentemente alcançaram um acordo para congelar a produção nos níveis de janeiro se outros países apoiarem a medida.

Irão e Iraque também se mostraram dispostos a abraçar a estratégia.

"Este seria um primeiro passo", afirmou El-Badri, durante uma conferência internacional sobre energia (IHS Ceraweek), que se realiza anualmente em Houston, nos Estados Unidos da América.

Segundo o secretário-geral da OPEP, a estratégia deveria prolongar-se durante três ou quatro meses, para avaliar o seu efeito e aplicar novas medidas, que não especificou.

"Se isto funcionar, quem sabe no futuro podemos acordar novos passos", afirmou El-Badri, que ocupou diversos cargos na Líbia de Muammar Kadhafi entre 1983 e 2006, incluindo o de ministro do Petróleo e da Energia.

O secretário-geral da OPEP -- organização que controla 40% da produção mundial -- mostrou-se esperançado que, com um acordo entre potências, os preços voltem a subir em 2017, apesar de reconhecer que a situação atual é preocupante.

Com essa meta, El-Badri admitiu que a colaboração por parte de países que não fazem parte da OPEP, em especial, os Estados Unidos, é necessária.

"Não sei como vamos conviver com o petróleo de xisto produzido nos Estados Unidos", partilhou o mesmo responsável.

O designado petróleo de xisto, extraído com uma técnica que só é rentável com o barril a pelo menos 65 dólares e a estratégia inicial da OPEP de aumentar a produção passava por afastá-lo do mercado.

Esta estratégia teve como consequência a queda progressiva do preço em 2015 e no início de 2016 até aos 26 dólares, o valor mais baixo em 12 anos.

Além de afastar do mercado o petróleo de xisto, este declínio teve graves consequências nas economias de países produtores como a Venezuela e o Irão.

Por isso, na semana passada, Venezuela, Qatar, Arábia Saudita e Rússia acordaram em Doha congelar a sua produção para estabilizar o preço do crude, o que sugere uma mudança de atitude por parte dos sauditas, o principal apoiante da estratégia anterior.

Lusa

  • "O que mais tem havido nesta altura são respostas precipitadas"
    7:21

    Opinião

    Foi um "debate contigo" o de hoje, no Parlamento, sobretudo no frente-a-frente entre António Costa e Passos Coelho, na opinião de Bernardo Ferrão. O subdiretor de informação da SIC sublinha uma declaração "mortal" do primeiro-ministro, quando este disse que "ninguém quer respostas precipitadas". Por outro lado, a comissão técnica independente pedida pelo PSD pode virar-se contra o próprio partido.

    Bernardo Ferrão

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Cozido ou empanadas chilenas para o jantar?
    5:20

    Taça das Confederações

    Portugal e Chile defrontam-se esta quarta-feira em jogo das meias-finais da Taça das Confederações. O jornalista Gonçalo Azevedo Ferreira fala sobre as previsões da imprensa chilena para o encontro, revela alguns dados sobre as presenças de Portugal e Chile em grandes competições e mostra, através das redes sociais, o lado mais descontraído da antevisão deste duelo.

  • Portugal vai pagar 3.500 milhões ao FMI até agosto
    1:18

    Economia

    Portugal vai pagar, até agosto, 3.500 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional. Mil milhões seguem já na sexta-feira. A antecipação do pagamento foi esta quarta-feira formalmente autorizada pelos parceiros e credores europeus.

  • Trump volta a criticar as chamadas "fake news"

    Mundo

    O Presidente norte-americano voltou a criticar aquilo a que chama de "fake news", em português "notícias falsas". Através da rede social twitter, Donald Trump diz que o jornal New York Times "nem sequer liga para verificar os factos e que, por isso, dá notícias falsas".

  • Família Obama de férias na Indonésia

    Mundo

    Das águas claras de Bali aos encantos dos templos de Java, o antigo Presidente norte-americano Barack Obama levou a esposa e as filhas de férias numa aventura de (re)descobertas por um país onde Obama viveu durante quatro anos da sua infância.

    SIC

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.