sicnot

Perfil

Economia

Técnicos do Estado querem saber o que acontece ao SNS com alargamento da ADSE

A presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado (STE) considerou hoje positivo o alargamento da ADSE aos filhos dos funcionários públicos até 30 anos, mas quer saber o que vai acontecer ao Serviço Nacional de Saúde.

Helena Rodrigues, presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado.

Helena Rodrigues, presidente do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado.

(SIC/ Arquivo)

"Nós não consideramos que é mau a questão do alargamento da ADSE a mais pessoas no universo daquilo que é uma administração pública alargada, um Estado alargado, mas colocamos é em causa: o que é que vai acontecer no Serviço Nacional de Saúde (SNS)", interrogou-se Helena Rodrigues, em declarações à agência Lusa.

Helena Rodrigues salientou que o STE quer saber o que o Estado e os governos pretendem fazer com um alargamento cada vez maior da ADSE, um subsistema de saúde que não é o SNS.

"O que é que vai acontecer ao SNS se lhe retirarmos cada vez mais pessoas para subsistemas à parte? Não nos interessa saber se o alargamento é justo ou não, com certeza que sim. Aquilo que dizemos é: porque não investir num SNS de qualidade", perguntou.

No entender da presidente do STE, este alargamento pode "esvaziar" o SNS.

"Isto para nós é uma preocupação, porque entendemos que o SNS deve ser nacional, público, acessível e para o qual todos devem contribuir na exata medida dos impostos que pagam, porque é suportado pelos impostos", considerou.

O Jornal de Negócios e o Público adiantam hoje que o Orçamento do Estado para 2016 prevê o alargamento do universo de beneficiários aos cônjuges e aos filhos até 30 anos (mais quatro do que atualmente) dos titulares, além dos trabalhadores do setor empresarial do Estado.

Segundo os jornais, a inscrição de cônjuges e trabalhadores do setor empresarial do Estado pode ser feita através de um desconto de 3,5% no salário.

De acordo com a imprensa, apesar destas medidas, o Governo não vai reduzir o desconto de 3,5% suportado pelos funcionários públicos.

Em declarações à Lusa, a vice-presidente do STE lembrou que a ADSE é um sistema solidário "feito por aqueles que mais ganham, independentemente do agregado familiar, para aqueles que menos ganham".

No entender de Helena Rodrigues, os 3,5% são o caminho encontrado para conseguir receitas que entram diretamente para o Ministério da Saúde.

"Lembro também que o Tribunal de Contas recomendou, após uma auditoria, a redução dos 3,5% para 2,25%, e mesmo assim ainda seria uma percentagem excessiva", disse.

De acordo com a responsável, os trabalhadores pagam os 3,5% a troco de um subsistema de saúde que se diz melhor, mas que vai é sustentar um défice crónico da saúde.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida