sicnot

Perfil

Economia

Moody's corta rating do Brasil para lixo

A agência de notação financeira Moody's desceu hoje a avaliação do crédito soberano do Brasil para abaixo do nível de investimento, lixo como é tradicionalmente conhecido, descendo também a perspetiva de evolução, que passa a negativa. A Moody's justificou com a probabilidade de a dívida pública subir e a dinâmica política desafiante.

© Eduardo Munoz / Reuters

A ação da Moody's segue-se a ações semelhantes já feitas pela Standard & Poor's e Fitch, o que torna o custo do financiamento, não só do país, mas também das empresas, automaticamente mais caro.

De acordo com uma nota de uma das três maiores agências de rating do mundo, o Brasil viu hoje o seu crédito soberano cortado para Ba2, abaixo do nível de recomendação de investimento, e a perspetiva de evolução é negativa, o que significa que o rating pode ser ainda mais cortado nos próximos 12 a 18 meses.

Dívida pública e dinâmica política explicam descida do rating do Brasil

A agência de notação financeira Moody's disse hoje que a probabilidade de a dívida pública subir para 80% do PIb até 2019 e a dinâmica política desafiante foram os dois principais motivos para descer o rating para 'lixo'.

"A revisão em baixa foi motivada pela perspetiva de uma deterioração adicional nas métricas de dívida do Brasil num ambiente de baixo crescimento, com a dívida pública a exceder provavelmente os 80% do PIB nos próximos três anos, e a dinâmica política desafiante, que vai continuar a complicar os esforços de consolidação orçamental das autoridades e a adiar as reformas estruturais", escreve a agência de 'rating'.

No documento hoje colocado no site, e que explica a revisão em baixa da avaliação da qualidade de crédito soberano do país, para Ba2, abaixo do nível de recomendação de investimento, conhecido tradicionalmente como 'lixo', a Moody's acrescenta que a Perspetiva de Evolução Negativa reflete a análise segundo a qual "os riscos estão do lado de uma recuperação e consolidação orçamental mais lentas, ou de mais choques, o que cria incerteza sobre a magnitude da deterioração do perfil de crédito do Brasil durante o período desta análise".

A Moody's lembra que desde agosto de 2015, quando desceu a avaliação para Baa3 - o último nível antes de 'lixo' -, "as métricas de crédito têm continuado a deteriorar-se", e acrescenta que "essa deterioração é provável que continue nos próximos três anos, dada a escala do choque na economia brasileira, a falta de progresso do Governo em atingir os objetivos orçamentais e económicos e a dinâmica política expectável durante esse período".

Para os analistas desta agência de notação financeira, "a revisão em baixa do 'rating' para Ba2 revela essa deterioração em curso, ao passo que a Perspetiva de Evolução Negativa contempla os riscos de uma deterioração acrescida do perfil de crédito do Brasil que surge dos choques macroeconómicos, disfunção política mais profunda e a necessidade de apoiar as entidades públicas".

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.