sicnot

Perfil

Economia

Carros elétricos serão mais baratos que convencionais em 2025

Os analistas prevêem que os carros elétricos serão mais baratos que os veículos com motor a combustão com a produção em grande escala de baterias na década de 20.

© Thomas Peter / Reuters

Apesar de muitos países darem incentivos, atualmente apenas 1% dos carros vendidos são elétricos. Ainda são mais caros que os convencionais e as baterias têm pouca autonomia. É este o "pormenor" que torna os carros elétricos pouco apetecíveis.

Mas as estimativas da Bloomberg New Energy Finance (BNEF) apontam para 2025 como o ano em que combustão e elétrico poderão competir ao mesmo nível.

As baterias de iões de lítio já baixaram 65% desde 2010 e os analistas prevêem que este custo venha a ser cada vez menor.

Em 2040, as vendas dos carros elétricos atingirão 41 milhões de unidades, o que representa 35% do total das vendas de automóveis - 90 vezes mais que em 2015.

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.