sicnot

Perfil

Economia

Portugal é o segundo país da UE onde impostos sobre a gasolina mais pesam

Portugal é o segundo país da União Europeia com a tributação mais elevada sobre a gasolina, considerando o poder de compra dos cidadãos de cada país, de acordo com um estudo da consultora Deloitte divulgado hoje.

Se no que diz respeito à gasolina Portugal é apenas ultrapassado pela Roménia, já quanto ao gasóleo Portugal é o quinto país com tributação mais elevada na Europa dos 28, ainda considerando o poder de compra comparado dos cidadãos de todos os países.

Este estudo teve em consideração o aumento do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP) em seis cêntimos por litro na gasolina sem chumbo e no gasóleo rodoviário, que entrou em vigor através de uma portaria a 12 de fevereiro, mas que está previsto na proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), que já foi aprovado na generalidade e que está em debate na especialidade até meados de março.

"Até ao recente aumento da tributação dos combustíveis em Portugal, encontrávamo-nos em 5.º lugar no que se refere à gasolina e em 12.º no gasóleo, o que significou um salto de três posições quanto ao primeiro combustível e de sete no que se refere ao segundo", comenta o fiscalista da Deloitte Afonso Arnaldo, em comunicado.

Sem considerar o poder de compra comparado dos cidadãos de cada país, o estudo da Deloitte coloca Portugal como o quinto país com maior tributação da gasolina e como 10.º com maior tributação do gasóleo.

Anteriormente ao aumento definido pelo Governo, Portugal ocupava a 12.ª posição entre os países da União Europeia onde a tributação sobre a gasolina pesa mais e na 19ª posição no que diz respeito à tributação do gasóleo.

A Deloitte destaca ainda que Espanha encontra-se em "posições opostas a Portugal", ocupando a 26.ª posição quanto à carga fiscal da gasolina, considerando o poder de compra comparado, sendo que apenas a Áustria e o Luxemburgo têm uma tributação inferior neste combustível, e na 25.ª posição quanto ao gasóleo (só ultrapassada, pela positiva, por Dinamarca, Áustria e Luxemburgo).

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.