sicnot

Perfil

Economia

Bruxelas critica desequilíbrios excessivos na economia portuguesa

São várias as críticas a Portugal, reveladas hoje num relatório da Comissão Europeia: à reversão da privatização da TAP, ao aumento do salário mínimo e ao elevado nível da dívida pública.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rafael Marchante / Reuters

O relatório que avalia a situação económica portuguesa reconhece progressos, mas são também muitas as críticas.

Os técnicos de Bruxelas dizem que "a inversão parcial da privatização da TAP pode implicar riscos orçamentais suplementares". Também a reversão das concessões dos transportes urbanos de Lisboa e Porto é vista como um retrocesso.

O aumento do salário mínimo merece avisos. Dizem os técnicos que pode aumentar a pressão salarial, com o risco de afetar as perspetivas de emprego e de competitividade.

Outra preocupação diz respeito à dívida pública que continua muito elevada, a rondar os 130% do PIB. Neste ponto, os técnicos deixam críticas também ao anterior governo. Defendem que em 2015 houve um "relaxamento" que levou à deterioração do saldo estrutural.

O documento adianta que, sem esforços adicionais de consolidação orçamental e reformas estruturais, será muito difícil reduzir a dívida.

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15