sicnot

Perfil

Economia

Ministro acusa a direita de "sujar o debate" sobre acordo da TAP

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, acusou ontem a direita de utilizar a técnica de sujar o debate sobre a reversão da privatização da TAP por falta de conteúdo para contestar.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

"Compreendemos bem a sua técnica de sujar o debate quando não tem nada de factual para trazer ao debate, quando vocês andaram a privatizar às escondidas", afirmou Pedro Marques, em resposta ao deputado do PSD Luís Leite Ramos, que acusou o Governo de "falta de verdade" em relação à entrada de acionistas chineses no capital da TAP e questionou o papel de Diogo Lacerda Machado nas negociações com o consórcio Atlantic Gateway.

Na audição conjunta da Comissão de Orçamento e Finanças com a Comissão de Economia e Obras Públicas, o ministro defendeu o acordo alcançado, que permite ao Estado ser acionista maioritário com 50% do capital da TAP, acusando o anterior executivo de privatizar a companhia aérea de "forma precipitada e obscura".

"O que custa aos deputados da direita é que ficou evidente a insegurança da fase anterior da negociação. Não esperavam que fosse possível chegar a esse acordo: manter um acionista privado de referência, mantendo o controlo estratégico do Estado", acrescentou Pedro Marques.

Às questões do deputado social-democrata sobre o papel do antigo secretário de Estado Diogo Lacerda Machado nas negociações com o consórcio Atlantic Gateway, o governante reiterou que o advogado, amigo pessoal do primeiro-ministro, António Costa, ajudou o Governo "na fase da negociação do memorando".

"Contrataremos uma assessoria jurídica na fase que corresponde à celebração do acordo, como acontece sempre nestes processos", acrescentou.

Sobre a entrada da companhia chinesa HNA no capital da TAP, o ministro que tem a tutela da transportadora aérea disse que "já vinha a ser negociado no tempo do Governo anterior", realçando que "a posição do Estado fica intocada".

No memorando de entendimento que fechou a recompra de ações pelo Estado, lê-se que "o Estado português autoriza desde já a entrada no capital social da Atlantic Gateway pela HNA, em percentagem a acordar entre os acionistas da Atlantic Gateway e a HNA".

Em declarações à Lusa, David Neeleman, que juntamente com o empresário português Humberto Pedrosa constitui o consórcio Atlantic Gateway, garantiu que o grupo acabará por ficar "indiretamente com 10% a 13% da TAP", que o anúncio desta participação deve acontecer "ainda este ano" e que os pormenores da rota com a China "deverão ser conhecidos na mesma altura."

Lusa

  • Passos explica porque se sentiu irritado com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o Presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas de que foi alvo.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.