sicnot

Perfil

Economia

Estudo diz que número de insolvências está a cair há três anos

O número de insolvências em Portugal está a diminuir há três anos, revela hoje a Informa D&B, adiantando que o Processo Especial de Revitalização (PER) de empresas contribuiu para "a inversão da tendência de subida" de anos anteriores.

(Lusa/ Arquivo)

(Lusa/ Arquivo)

LUSA

O estudo, elaborado pela Informa D&B, concluiu que em Portugal os processos de insolvência mantêm pelo terceiro ano consecutivo (- 24,7% entre 2013 e 2015), uma tendência de descida.

Além do PER, que surgiu em 2012, para a inversão da tendência de subida das insolvências contribuíram, nos últimos três anos, os sinais de recuperação das condições económicas no país.

"A queda das insolvências observada nos últimos três anos contraria "o crescimento expressivo" das insolvências entre 2010 e 2012 (+67%), que ocorreu numa conjuntura de agravamento das condições económicas e financeiras", explica o estudo elaborado pela Informa D&B.

O trabalho evidencia, no entanto, que apesar da tendência de queda das insolvências nos últimos três anos, o número de empresários em nome individual (ENI) está a ganhar peso no total das insolvências.

Estas são algumas das conclusões do estudo que analisou o universo que incluiu empresas e outras organizações (pessoas coletivas) e empresários em nome individual (ENI) com sede em Portugal.

No período analisado assistiu-se ao aumento dos ENI no total dos processos de insolvência, tendo o seu peso passado de 11% para 24% entre 2010 e 2015.

Embora tenham registado uma ligeira descida em 2015 (-1,4%), face ao ano anterior, os empresários em nome individual quase triplicaram o seu número em relação a 2010, conclui o estudo.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.