sicnot

Perfil

Economia

Dívida pública chega aos 234,4 mil milhões em janeiro

A dívida pública aumentou 3.344 milhões de euros em janeiro face a dezembro para 234,4 mil milhões de euros, divulgou hoje o Banco de Portugal.

Estes valores referem-se à dívida pública na ótica de Maastricht, a que conta para Bruxelas, e a subida no primeiro mês deste ano acontece depois de a dívida das administrações públicas ter descido em dezembro de 2015 face a novembro.

Numa nota hoje publicada pelo Banco de Portugal em que explica esses dados, a instituição liderada por Carlos Costa refere que o aumento em janeiro é o reflexo de emissões líquidas de títulos, no valor de 3.000 milhões de euros, e de um "aumento das responsabilidades em numerário e depósitos", de 400 milhões de euros, nomeadamente pelo aumento dos certificados do tesouro em 300 milhões de euros.

Quanto à dívida líquida dos depósitos da administração central, esta reduziu-se em 560 milhões de euros em janeiro face ao fim de dezembro de 2015, para 217,1 mil milhões de euros, o que o Banco de Portugal atribui ao "aumento acentuado dos ativos de depósitos", 3,9 mil milhões de euros.

A dívida na ótica de Maastricht é utilizada para medir o nível de endividamento das administrações públicas de um país.

Última atualização às 14:08

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.