sicnot

Perfil

Economia

Associação Portuguesa de Bancos diz que nacionalização do Novo Banco é "quase impossível"

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos (APB), Fernando Faria de Oliveira, destacou hoje que uma eventual nacionalização do Novo Banco é um processo quase impossível face às novas regras europeias, obrigando à resolução do banco de transição.

© Rafael Marchante / Reuters

"A nacionalização não é um processo fácil, e eu diria mesmo que é muito difícil de por em execução. No quadro de uma resolução, existe uma disposição que permite, em condições excecionais - que ponham em causa a estabilidade do sistema financeiro -, uma nacionalização que tem que ser aprovada pela Comissão [Europeia]", afirmou à Lusa o responsável.

"Mas isso já aconteceu. O que foi objeto de resolução foi o BES e essa não foi a opção tomada", vincou, à margem de um evento em Lisboa, sublinhando que "a opção que a APB defendia na altura era a utilização da linha de recapitalização".

Segundo Faria de Oliveira essa "era a melhor via", porém, como não foi essa a solução adotada, "já faz parte do passado".

O responsável explicou que, "nas circunstâncias atuais, o que está em causa é um banco de transição. E também existem, em termos do quadro legal em vigor, regras bem definidas em relação a um banco de transição".

Assim, "nacionalizar um banco de transição no novo quadro que entrou em vigor no dia 01 de janeiro não é possível sem uma resolução prévia do Novo Banco", vincou, pelo que este "é um processo que é quase impossível de ser concretizado".

Ainda assim, Faria de Oliveira admitiu que "existirá alguma capacidade negocial sobre esta matéria", mas considerou que o mais importante é apostar na venda da instituição.

"Vamos ver se se consegue que o processo de venda corra bem e que, se possível, se encontre um comprador que seja muito credível e que permita uma configuração do sistema bancário português onde em qualquer circunstância exista um peso significativo da banca nacional", lançou.

O líder da APB destacou que, na ótica da banca, o objetivo é que "a venda se efetue de maneira a maximizar o valor da venda e, com isso, diminuir o esforço que eventualmente os bancos vão ter que fazer e que vai corresponder à diferença entre os 4,9 mil milhões de euros do capital inicial do Novo Banco e o valor efetuado com a venda".

Já em termos de calendário, Faria de Oliveira considerou que "deve ser definido por quem de direito, devendo ter sempre em vista este objetivo de minimizar o eventual esforço do sistema bancário".

O responsável disse ainda que "é importante considerar que a própria resolução em si mesma contém ingredientes que, na realidade, ferem a concorrência", mas que "também trazem vantagens ao sistema bancário, sem dúvida, porque evitam crises sistémicas".

Para o porta-voz da banca, "não há dúvida que os outros bancos estão a permitir a continuação em atividade de um banco que estava em situação muito difícil e, por outro lado, no próprio ato de venda, podem acabar por fazer quase uma espécie de subsidiação ao comprador".

E prosseguiu: "Isto são matérias que, do ponto de vista da concorrência, foram seguramente pensadas pelos políticos que definiram o regime e que têm de facto como contrapartida evitar o risco sistémico, mas têm o seu quê de controverso".

Portanto, no seu entender, "importa que o processo de venda corra muito bem. Que seja muito bem concebido em termos do método de venda, que neste momento está em aberto, e em termos de 'timing'".

Faria de Oliveira concluiu que a expectativa dos bancos é que "quer o Governo quer o regulador trabalhem conjuntamente para que ele seja bem-sucedido".

Lusa

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Trabalhadores da saúde iniciam greve nacional

    País

    Trabalhadores da saúde estão esta sexta-feira a cumprir uma greve a nível nacional para reivindicar a admissão de novos profissionais, exigir a criação de carreiras e a aplicação das 35 horas semanais a todos os funcionários do setor.

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Juiz brasileiro morto em acidente aéreo investigava corrupção na Petrobras
    1:28
  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.