sicnot

Perfil

Economia

Caixabank e Santoro dizem que ainda não há acordo sobre o BPI

Os principais acionistas do BPI, Santoro e Caixabank, informaram hoje que estão em contacto para alcançar uma solução para banco que cumpra as regras do BCE relativas à presença em Angola, mas que até agora ainda não chegaram a acordo.

© Albert Gea / Reuters

O BPI divulgou hoje à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM) duas comunicações dos seus dois principais acionistas - do espanhol Caixabank e da empresa angolana Santoro, de Isabel dos Santos - em que estes reagem às notícias divulgadas esta terça-feira dando conta de negociações entre ambos para que o BPI cumpra as regras do Banco Central Europeu (BCE), e que, ao mesmo tempo, permitam ultrapassar divergências.

O Caixabank é o principal acionista do BPI, com 44,10% do capital social, apesar de só poder exercer 20% dos votos devido à blindagem dos estatutos, enquanto a Santoro detém 18,58% do capital.

Lusa

  • 10 Minutos com Eurico Reis
    11:20

    10 Minutos

    Há quatro meses que Portugal é um dos poucos países europeus onde é possível recorrer à gestação de substituição. E há já um casal que teve luz verde para começar os tratamentos. Para um balanço, foi nosso convidado Eurico Reis, juiz desembargador e presidente do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, a entidade que autoriza os processos de gestação de substituição.

    Entrevista completa

  • A inédita entrevista do príncipe Harry a Barack Obama
    0:47

    Mundo

    Foi divulgado um vídeo pouco habitual, onde aparece o príncipe Harry a entrevistar Barack Obama para um programa de rádio. A conversa foi gravada em setembro, durante um evento desportivo para militares com deficiência, e será transmitida na íntegra no dia 27 de dezembro.

  • Parlamento discute utilização de animais no circo
    2:01
  • Seis meses depois da tragédia de Pedrógão Grande
    5:55

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assinalou-se este domingo meio ano desde que o país ficou em choque com o rasto de morte e destruição causado pelos incêndios florestais na região centro. A tragédia de Pedrogão Grande foi há precisamente seis meses. Enquanto segue a reconstrução no tempo possível e com o Natal à porta, a vida prossegue, mas não voltará a ser mesma.