sicnot

Perfil

Economia

Governo diz que reparação dos Kamov vai custar 8,5 milhões de euros

A ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, disse hoje, no parlamento, que a reparação dos dois helicópteros Kamov vai custar 8,5 milhões de euros.

MANUEL DE ALMEIDA

No âmbito da discussão da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2016, Constança Urbano de Sousa afirmou aos deputados que, dos três helicópteros pesados do Estado inoperacionais, um está "praticamente destruído" e dois vão ser reparados com um custo de 8,5 milhões de euros.

Segundo a ministra, este montante vai "consolidar muita da verba da Autoridade Nacional de Proteção Civil" (ANPC), mas são "dois meios operacionais necessários para a fase dos incêndios".

Dos seis helicópteros Kamov da frota do Estado, apenas três estão aptos para voar, estando dois inoperacionais e outro acidentada desde 2012 que se despenhou durante um combate a um incêndio.

Estes dois inoperacionais, já não voaram em 2015 durante a fase crítica de combate a incêndios.

No ano passado, durante o processo de transferência dos Kamov para a nova empresa que ganhou o concurso público internacional para a manutenção e operação destes helicópteros, foram detetados problemas nos aparelhos.

Na audição, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, adiantou que os dois Kamov que vão ser reparados não vão estar prontos para a época de incêndios deste ano.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil tem orçamento para 2016 cerca de 129 milhões de euros, uma redução de 4,6 milhões de euros face a 2015.

A ministra justificou a redução da verba para a ANPC, nomeadamente, com as despesas feitas, em 2015, com a extinção da Empresa de Meios Aéreos (EMA).

Lusa

  • Segurança da Academia de Alcochete avisado 10 minutos antes do ataque
    1:57
  • "Não acho que seja prudente" o regresso dos atletas à Academia do Sporting
    5:49

    Crise no Sporting

    As agressões aos jogadores e equipa técnica do Sporting, na Academia de Alcochete, foram o tema de uma entrevista a Ana Bispo Ramires, psicologa do desporto. Questionada sobre se os jogadores deveriam regressar ou não à academia, Ana Bispo Ramires diz que não devem fazê-lo e explica que é importante que haja medidas de atuação, o mais rápido possível, para que os atletas e restante equipa técnica do clube possam reprocessar, do ponto de vista cognitivo, as ameaças que sofreram. 

  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC