sicnot

Perfil

Economia

Stock da Cunha vai ao Parlamento falar sobre possíveis despedimentos no Novo Banco

A comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social aprovou hoje o requerimento do PS pedindo a audição na Assembleia da República do presidente do conselho de administração do Novo Banco para falar sobre possíveis despedimentos na entidade.

MIGUEL A. LOPES

De acordo com indicação dada por fonte parlamentar à agência Lusa, o requerimento para ouvir Eduardo Stock da Cunha em sede de comissão foi aprovado por unanimidade das bancadas, sendo que as audições - ainda sem data marcada - devem acontecer somente apenas a total discussão do Orçamento do Estado, cuja votação final global acontece a 16 de março.

Para além de Stock da Cunha, foi também aprovada a audição da comissão de trabalhadores do Novo Banco, sendo que os quadros da empresa e o presidente da administração deverão falar sobre o "impacto social resultante dos possíveis despedimentos que foram anunciados" na entidade.

A chamada de Eduardo Stock da Cunha e da comissão de trabalhadores da empresa dá-se após "informações tornadas públicas" que o Novo Banco "vai avançar com um plano de reestruturação que implica a redução, já em 2016, de cerca de 1.000 postos de trabalho, 500 dos quais através de despedimento coletivo", advogam os socialistas que assinaram o requerimento hoje aprovado.

"No final de 2014, a administração do Novo Banco, através de uma entrevista do Presidente do seu Conselho de Administração, confirmou que a reestruturação interna não seria prioritária, na medida que o Novo Banco já havia procedido a um esforço de redução de balcões. Por outro lado, não tendo passado por fusões ou aquisições, não teria excedentes de trabalhadores", diz também a missiva endereçada ao presidente da comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, Feliciano Barreiras Duarte.

Entre os deputados do PS que assinam o texto estão nomes como Tiago Barbosa Ribeiro, Luísa Salgueiro, Wanda Guimarães, Joaquim Raposo, Ricardo Bexiga e Sónia Fertuzinhos, entre outros.

A equipa de gestão do Novo Banco esclareceu na quinta-feira que a reestruturação da entidade implica a saída de até 500 trabalhadores em 2016, e não de 1.000, devido à redução de pessoal já feita nos últimos meses.

Num comunicado interno dirigido aos funcionários do banco, a que a Lusa teve acesso, a administração liderada por Eduardo Stock da Cunha reconheceu "a inevitabilidade de redução de colaboradores", mas destacou que "o esforço que tem vindo a ser desenvolvido nos últimos meses, nomeadamente por via de reformas antecipadas, irá permitir limitar o esforço de redução de colaboradores ainda por concretizar para um número não superior a 500".

Algumas horas antes, numa nota de imprensa, a Comissão Nacional de Trabalhadores (CNT) do Novo Banco tinha dito que "o banco terá que reduzir em 2016, cerca de 1.000 postos de trabalho, sendo suposto que 500 sejam através do recurso a um despedimento coletivo".

No documento enviado aos trabalhadores, a administração do Novo Banco realçou que o plano de reestruturação aprovado pela Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia "desdobra-se num conjunto de medidas, com destaque para uma redução de 1.000 colaboradores em 2016 e redução de 150 milhões de euros no total de custos operacionais".

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.