sicnot

Perfil

Economia

Stock da Cunha vai ao Parlamento falar sobre possíveis despedimentos no Novo Banco

A comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social aprovou hoje o requerimento do PS pedindo a audição na Assembleia da República do presidente do conselho de administração do Novo Banco para falar sobre possíveis despedimentos na entidade.

MIGUEL A. LOPES

De acordo com indicação dada por fonte parlamentar à agência Lusa, o requerimento para ouvir Eduardo Stock da Cunha em sede de comissão foi aprovado por unanimidade das bancadas, sendo que as audições - ainda sem data marcada - devem acontecer somente apenas a total discussão do Orçamento do Estado, cuja votação final global acontece a 16 de março.

Para além de Stock da Cunha, foi também aprovada a audição da comissão de trabalhadores do Novo Banco, sendo que os quadros da empresa e o presidente da administração deverão falar sobre o "impacto social resultante dos possíveis despedimentos que foram anunciados" na entidade.

A chamada de Eduardo Stock da Cunha e da comissão de trabalhadores da empresa dá-se após "informações tornadas públicas" que o Novo Banco "vai avançar com um plano de reestruturação que implica a redução, já em 2016, de cerca de 1.000 postos de trabalho, 500 dos quais através de despedimento coletivo", advogam os socialistas que assinaram o requerimento hoje aprovado.

"No final de 2014, a administração do Novo Banco, através de uma entrevista do Presidente do seu Conselho de Administração, confirmou que a reestruturação interna não seria prioritária, na medida que o Novo Banco já havia procedido a um esforço de redução de balcões. Por outro lado, não tendo passado por fusões ou aquisições, não teria excedentes de trabalhadores", diz também a missiva endereçada ao presidente da comissão parlamentar de Trabalho e Segurança Social, Feliciano Barreiras Duarte.

Entre os deputados do PS que assinam o texto estão nomes como Tiago Barbosa Ribeiro, Luísa Salgueiro, Wanda Guimarães, Joaquim Raposo, Ricardo Bexiga e Sónia Fertuzinhos, entre outros.

A equipa de gestão do Novo Banco esclareceu na quinta-feira que a reestruturação da entidade implica a saída de até 500 trabalhadores em 2016, e não de 1.000, devido à redução de pessoal já feita nos últimos meses.

Num comunicado interno dirigido aos funcionários do banco, a que a Lusa teve acesso, a administração liderada por Eduardo Stock da Cunha reconheceu "a inevitabilidade de redução de colaboradores", mas destacou que "o esforço que tem vindo a ser desenvolvido nos últimos meses, nomeadamente por via de reformas antecipadas, irá permitir limitar o esforço de redução de colaboradores ainda por concretizar para um número não superior a 500".

Algumas horas antes, numa nota de imprensa, a Comissão Nacional de Trabalhadores (CNT) do Novo Banco tinha dito que "o banco terá que reduzir em 2016, cerca de 1.000 postos de trabalho, sendo suposto que 500 sejam através do recurso a um despedimento coletivo".

No documento enviado aos trabalhadores, a administração do Novo Banco realçou que o plano de reestruturação aprovado pela Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia "desdobra-se num conjunto de medidas, com destaque para uma redução de 1.000 colaboradores em 2016 e redução de 150 milhões de euros no total de custos operacionais".

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.