sicnot

Perfil

Economia

Fernando Medina quer transportes mais baratos e subsidiados pelo Estado

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, defendeu hoje um sistema de transportes públicos mais barato para os passageiros e subsidiado pelo Estado, para que possa ser assegurado o serviço público.

"Não há verdadeiro sistema de transporte público que seja sustentado sem subsidiação. É este o ponto de partida. Ou é lucrativo porque se concentra em áreas que são lucrativas, ou temos um verdadeiro e eficaz sistema onde, claramente, as receitas não cobrem" as despesas, disse o autarca.

Fernando Medina falava na sessão de abertura do Fórum Mobilidade e Sistema Metropolitano de Transportes: Direito à Mobilidade com Transportes Públicos Sustentáveis, que hoje decorre no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, em Lisboa.

Na sua intervenção, o autarca defendeu que o futuro sistema de transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa deve ser "acessível para todos os cidadãos", tanto na mobilidade como nos preços, que considera "altos".

"Pretendemos a redução dos preços que hoje estão a ser praticados para muitos dos nossos munícipes", frisou.

Para Medina, os transportes públicos devem ainda conquistar credibilidade, ser integrados e ganhar flexibilidade, porque os "padrões de mobilidade alteraram-se profundamente nos últimos 30 anos e os meios de transporte não acompanharam essa mudança".

Referindo-se ao debate sobre a municipalização dos transportes públicos na Área Metropolitana de Lisboa que está a decorrer, o presidente da Câmara de Lisboa disse que encontrou um sistema "profundamente desarticulado e desajustado".

"O grande desafio é como pegar neste emaranhado e encontrar os pontos certos para pegar numa realidade existente e projetar futuro", afirmou.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.