sicnot

Perfil

Economia

Estado português condenado a pagar 1,8 mil milhões no caso dos Swap

O Estado português foi condenado a pagar 1,8 mil milhões de euros ao Santander no processo dos contratos Swaps. A sentença foi proferida esta manhã por um tribunal de Londres.

Mark Lennihan/ AP

As empresas públicas Metro de Lisboa, Metro do Porto, Carris e STCP são condenadas a indemnizar o banco espanhol, pela quebra unilateral de nove contratos Swap, celebrados entre 2005 e 2007.

Tratam-se de contratos de alto risco, que colocaram as empresas públicas de transportes a pagar taxas de juro que podiam ultrapassar os 60% e que foram anulados pela antiga ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque.

O assunto levou até à criação de uma comissão de inquérito. Muito dos bancos acabaram por aceitar cancelar os contratos durante as negociações com o Estado, mas o Santander sempre insistiu que os acordos eram válidos.

No total, as perdas potenciais com este tipo de contratos, feitos com grandes bancos europeus, ultrapassavam os 3 mil milhões de euros. Mais de metade eram de contratos com o banco espanhol, a quem é agora dada razão nos tribunais.

Última atualização às 12:03

  • Os contratos Swap e as repercussões na dívida
    8:14

    Opinião

    O Estado português foi condenado a pagar 1,8 mil milhões de euros ao Santander no processo dos contratos Swaps. O diretor adjunto do Expresso João Vieira Pereira relembra a origem da polémica e antecipa os possíveis efeitos da decisão do tribunal de Londres.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.