sicnot

Perfil

Economia

Arrow Global diz que não recebeu benefícios fiscais em Portugal

A empresa Arrow Global, que contratou a ex-ministra Maria Luís Albuquerque como administradora não executiva, disse esta quarta-feira em comunicado que não beneficiou de isenção de impostos ou benefícios fiscais em Portugal.

© Rafael Marchante / Reuters

Num comunicado hoje divulgado pela empresa, em que esclarece vários pontos a propósito da polémica relacionada com a contratação da ex-ministra, a empresa esclarece que "não recebeu qualquer tipo de isenção de impostos ou benefícios fiscais em Portugal".

Na terça-feira, o PCP e Bloco de Esquerda pediram esclarecimentos adicionais ao atual Governo sobre as ligações ao Estado português da empresa que contratou a atual deputada Maria Luís Albuquerque, nomeadamente sobre a eventual concessão de apoios financeiros ou benefícios fiscais.

Já hoje foi noticiado por órgãos de comunicação social que as empresas Whitestar e Gesphone, especializadas em gestão de créditos em incumprimento e atualmente detidas pela Arrow, receberam cerca de 400 mil euros em benefícios fiscais até 2014.

No comunicado hoje divulgado, a Arrow refere ainda que só adquiriu a Whitestar em abril de 2015.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.