sicnot

Perfil

Economia

Portugal quer arrecadar hoje até 1.250 M€ em leilões de obrigações

Portugal vai hoje ao mercado com dois leilões de Obrigações do Tesouro, com maturidades de cinco e de dez anos, para obter até 1.250 milhões de euros, segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

(Arquivo)

(Arquivo)

(Reuters/Arquivo)

Na nota divulgada à comunicação social na semana passada, o IGCP adianta que as Obrigações do Tesouro que serão emitidas têm maturidade de cinco e dez anos, a 15 de abril de 2021 e 21 de julho de 2026, "com um montante indicativo global entre 1.000 milhões de euros e 1.250 milhões de euros".

No leilão comparável a cinco anos, que ocorreu a 22 de julho e que tinha um montante indicativo global entre os 1.000 milhões e os 1.250 milhões de euros, o IGCP conseguiu emitir 900 milhões de euros a uma taxa de 1,423%.

Já no leilão comparável a dez anos, que ocorreu a 25 de novembro com um montante indicativo entre os 750 milhões e os 1.000 milhões de euros, Portugal conseguiu colocar 995 milhões de euros a uma taxa de 2,42%.

O IGCP espera emitir, em termos brutos, 18.000 a 20.000 milhões de euros em dívida de médio e longo prazo em 2016, "combinando sindicatos e leilões" e assegurando "no mínimo" um leilão de Obrigações do Tesouro (OT) por trimestre.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.