sicnot

Perfil

Economia

Siemens vai eliminar 2.500 empregos na divisão industrial

O grupo industrial e tecnológico alemão Siemens anunciou esta quarta-feira que vai suprimir 2.500 empregos na sua divisão industrial, 2000 dos quais na Alemanha, mas prevê contratar no futuro cerca de 25 mil pessoas por ano em novos setores.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Lukas Barth / Reuters

Em comunicado, a Siemens indicou que esta reorganização surge no quadro de uma transição para "uma empresa industrial digital" e que das futuras contratações 3000 serão na Alemanha.

Mas, numa primeira fase, a empresa, que tem um total de 348.000 funcionários, vai eliminar 2.500 empregos.

Segundo a Siemens, a redução de postos de trabalho será feita de forma socialmente responsável.

"O principal objetivo desta medida prevista é consolidar as atividades e otimizar a dimensão das fábricas de produção na Europa para melhorar a competitividade num mercado que continua a ser difícil", referiu a empresa.

Lusa

  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.