sicnot

Perfil

Economia

Ministro pede a portugueses para não abastecerem em Espanha

O ministro da Economia apelou hoje ao "civismo" da população da fronteira com Espanha, pedindo-lhes para não abastecerem combustível naquele país, porque assim estão a pagar impostos lá, o que considerou "mau" para as contas públicas portuguesas.

Esta tarde, em Vila Nova de Famalicão, à margem de uma visita ao Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal, Caldeira Cabral lembrou que para "financiar" serviços públicos é "preciso pagar" impostos e afastou um cenário de baixa de impostos.

O governante comentava as preocupações dos empresários do setor, nomeadamente da Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis, que tem vindo a manifestar descontentamento com o facto de as populações fronteiriças irem abastecer a Espanha, colocando os postos de abastecimento portugueses daquelas áreas numa "situação difícil".

"Deixo um apelo para que as pessoas evitem fazer isso [ir abastecer a Espanha], porque no fundo estão a pagar impostos a Espanha em vez de pagarem a Portugal, mesmo tendo um desconto. Penso que por civismo é de pedir às pessoas para que evitem fazer isso", disse.

"Para financiar serviços públicos é preciso pagar impostos. Essa [uma baixa de impostos] não é uma opção que infelizmente possamos ter agora", explicou.

Caldeira Cabral apontou ainda as consequências para a economia portuguesa do abastecimento de combustível em Espanha.

"Ao fazer isso estão a pagar impostos, porque grande parte do preço dos combustíveis em Espanha é também impostos, estão a pagar impostos em Espanha, o que e mau para as contas publicas portuguesas", referiu.

Lusa

  • "Vai ser uma batalha forte e dura"
    2:51
  • A tática dos 3 Rs de Carlos Queiroz
    1:58
  • Comandante da Proteção Civil confiante nos meios de combate aos incêndios
    1:56

    País

    Depois das falhas apontadas ao sistema de comunicações SIRESP durante os incêndios do ano passado, o cComandante operacional da Proteção Civil diz que não há meios de comunicação infalíveis. Duarte Costa acredita que este verão será mais calmo do que anterior e contabiliza já mais de 2000 incêndios desde maio que não foram notícia.