sicnot

Perfil

Economia

Instituições de solidariedade social reclamam mais apoio estatal

O presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), Lino Maia, reclamou hoje um aumento do apoio estatal ao setor, argumentando que as comparticipações dos utentes têm diminuído devido à crise e aos problemas sociais.

"A comparticipação dos utentes tem vindo a diminuir, por questões ligadas ao desemprego e à pobreza e é importante um reforço da parte do Estado", disse à agência Lusa Lino Maia, no final de uma reunião da assembleia geral da CNIS, que hoje decorreu em Fátima, distrito de Santarém.

Lino Maia justificou, também, o pedido de aumento do apoio estatal com os custos técnicos e de funcionamento das instituições de solidariedade - quase 2.900 das quais são associadas da CNIS, representando cerca 180 mil trabalhadores -, a inflação e a necessidade de atualizar as tabelas salariais no setor, onde subsiste "alguma injustiça" nos montantes pagos aos funcionários, indicou.

Na reunião de hoje foi aprovado "por unanimidade" o relatório de atividades e as contas de 2015, tendo a assembleia abordado, entre outros assuntos, as dificuldades das instituições de solidariedade social e a necessidade de cooperação.

"Não pode haver retração na cooperação", disse o presidente da CNIS.

Lino Maia destacou, ainda, o "bom ambiente de colaboração" com o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, expressando "confiança" no desempenho do ministro Vieira da Silva.

"Este setor tem uma boa relação com ele, é um ministro consistente, com provas dadas no passado, esperamos uma boa cooperação", afirmou.

Lusa

  • Famílias das vítimas de Pedrógão criam associação para apurar responsabilidades
    2:13
  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15