sicnot

Perfil

Economia

Transportadores de mercadorias pedem demissão do ministro da Economia

As empresas de transporte rodoviário de mercadorias, reunidas hoje em Pombal, exigiram a demissão do ministro da Economia e decidiram que o setor vai cumprir 15 dias de luto, a que se seguirá uma marcha lenta em todo o país.

ANDR\303\211 KOSTERS

Márcio Lopes, dirigente da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), disse aos jornalistas que as empresas transportadoras se sentem "gozadas" pelo Governo, recusando que os camionistas sejam antipatrióticos, apesar de reconhecer que vão continuar a abastecer os camiões de combustível em Espanha.

Esta associação exigiu a demissão do ministro Manuel Caldeira Cabral, titular da pasta da Economia, que na sexta-feira, em Vila Nova de Famalicão, apelou ao "civismo" da população da fronteira com Espanha, pedindo-lhe para não abastecer combustível naquele país, porque assim está a pagar impostos lá, o que considerou "mau" para as contas públicas portuguesas.

Já Gustavo Duarte, porta-voz da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), disse que "o setor está de luto" e que "os camiões vão circular nos próximos 15 dias com faixas negras penduradas".

Após esse período, o responsável disse que se vai cumprir uma marcha-lenta em todo o país.

Questionado sobre se se tratava de uma paralisação, negou-o, mas disse que os camiões irão "andar mais devagar" do que é habitual.

Segundo a organização do encontro de hoje, que decorreu à porta fechada, estiveram representadas cerca de 3.000 empresas.

Lusa

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05