sicnot

Perfil

Economia

Transportadores de mercadorias pedem demissão do ministro da Economia

As empresas de transporte rodoviário de mercadorias, reunidas hoje em Pombal, exigiram a demissão do ministro da Economia e decidiram que o setor vai cumprir 15 dias de luto, a que se seguirá uma marcha lenta em todo o país.

ANDR\303\211 KOSTERS

Márcio Lopes, dirigente da Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP), disse aos jornalistas que as empresas transportadoras se sentem "gozadas" pelo Governo, recusando que os camionistas sejam antipatrióticos, apesar de reconhecer que vão continuar a abastecer os camiões de combustível em Espanha.

Esta associação exigiu a demissão do ministro Manuel Caldeira Cabral, titular da pasta da Economia, que na sexta-feira, em Vila Nova de Famalicão, apelou ao "civismo" da população da fronteira com Espanha, pedindo-lhe para não abastecer combustível naquele país, porque assim está a pagar impostos lá, o que considerou "mau" para as contas públicas portuguesas.

Já Gustavo Duarte, porta-voz da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM), disse que "o setor está de luto" e que "os camiões vão circular nos próximos 15 dias com faixas negras penduradas".

Após esse período, o responsável disse que se vai cumprir uma marcha-lenta em todo o país.

Questionado sobre se se tratava de uma paralisação, negou-o, mas disse que os camiões irão "andar mais devagar" do que é habitual.

Segundo a organização do encontro de hoje, que decorreu à porta fechada, estiveram representadas cerca de 3.000 empresas.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras