sicnot

Perfil

Economia

Aumento dos combustíveis não foi ainda significativo para reduzir imposto

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais considerou hoje que o último aumento nos combustíveis não foi significativo para reduzir o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos (ISP), redução com a qual o Governo se comprometeu.

"O Governo mantém a ideia de que quaisquer variações significativas do preço dos combustíveis devem levar a uma variação do imposto. Essa variação significativa ainda não se verificou, uma vez que o preço é sensivelmente o mesmo que estava no início do ano", disse Fernando Rocha Andrade, na discussão na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2016 (OE2016), que decorre hoje no plenário da Assembleia da República.

O secretário de Estado respondia ao deputado do PSD Duarte Pacheco, que lembrou o aumento recente de combustíveis nas últimas duas semanas para questionar o Governo: "Para quando a alteração da portaria, pondo em prática o compromisso de baixar o imposto quando os combustíveis aumentassem? Quando pretende cumprir esse seu compromisso?", interrogou.

Na resposta, Rocha Andrade ironizou, lamentando "não conhecer o futuro" e afirmando que o aumento recente deste fim de semana dos combustíveis "limitou-se a repor o preço que já existiu no princípio do ano", sublinhando que o ISP apenas será alterado se a variação for significativa.

"Ficamos então todos dependentes do que é significativo para o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais e para o Governo", sublinhou Duarte Pacheco.

Também o deputado do CDS-PP Hélder Amaral questionou o Governo sobre um eventual aumento do ISP, caso o preço dos combustíveis volte a descer: "Será essa a parte visível do plano B?", interrogou.

"Como já foi referido várias vezes, o plano B é cumprir o plano A", sublinhou o secretário de Estado.

Anteriormente, o deputado centrista considerou que o aumento do ISP é "antissocial, anti família, anti empresas, antieconómica" e de uma "austeridade pura, dura e cega" e que significa que "era de facto mentira quando disseram que a austeridade ia acabar".

"Não serve o ministro da Economia dizer: 'tentem não consumir em Espanha'. Seria a mesma coisa que como o IVA nas águas gaseificadas vai ficar na mesma, tentem não beber água", afirmou Hélder Amaral.

Já João Galamba do PS, lembrou as medidas de aumento de rendimento (salário mínimo, prestações sociais, redução dos cortes salariais, entre outras) previstas no orçamento e que, em 2015, o Governo PSD/CDS-PP também aumentou o ISP.

Durante o debate hoje na especialidade, os deputados discutiram ainda as alterações previstas no Imposto sobre Veículos (ISV), a fiscalidade verde, alterações no IVA propostas pelo PAN.

Lusa

  • Défice cai 1.900 milhões até agosto

    Economia

    O défice das administrações públicas foi de 2.034 milhões de euros até agosto, uma "melhoria de 1.901 milhões" face ao mesmo período de 2016, segundo o Governo, que justifica com aumento superior a 4% da receita.

  • Coreia do Norte acusa Trump de declarar guerra

    Mundo

    A Coreia do Norte acusou hoje o Presidente norte-americano de ter "declarado a guerra". O chefe da diplomacia norte-coreana ameaçou abater todo e qualquer bombardeiro dos EUA que se aproxime do território.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.

  • Atores recriam cena em que um homem é vítima de violência doméstica
    1:35
  • Ministério Público admite eventual detenção do presidente do governo da Catalunha
    2:24
  • Bispo vermelho

    "Recebia trabalhadores e sindicalistas, batia à porta de políticos e empresários, andava pelas ruas da cidade ao encontro dos que das ruas da cidade faziam casa". Joaquim Franco evoca Manuel Martins, o "bispo vermelho".

    Joaquim Franco

  • Apreendidos quase 7.000 comprimidos ilegais vendidos pela internet
    1:43

    País

    O Infarmed e a Autoridade Tributária apreenderam perto de 7.000 unidades de comprimidos ilegais.A apreensão aconteceu no âmbito de uma operação internacional da Interpol de combate aos medicamentos ilegais vendidos pela internet, explicou à SIC Luís Sande e Castro, diretor da Unidade de Inpeção do Infarmed.

  • Criar galinhas na cozinha, guerras no fogão, e drones dentro de casa
    7:28
  • Passageiro detido com 1 kg de ouro no reto

    Mundo

    Os funcionários da alfândega do aeroporto de Colombo, Sri Lanka, estranharam o comportamento de um passageiro que "caminhava com dificuldade". Um exame completo revelou a valiosa carga que levava escondida... no tubo intestinal.