sicnot

Perfil

Economia

Há mais de 150 milhões de euros em notas de escudo por trocar

Até ao final de 2015 existiam ainda 156,1 milhões de euros em notas de escudo por trocar, noticia o Público de hoje. Catorze anos após a introdução do euro em Portugal, ainda há milhões de notas de escudo válidas espalhadas por todo o lado

1992 - O Escudo passa a integrar o Sistema Monetário Europeu.

1992 - O Escudo passa a integrar o Sistema Monetário Europeu.

Quase 40% são notas de 5 mil escudos.

De acordo com o jornal Público, as principais causas para este número tão elevado são o colecionismo, o desconhecimento da possibilidade de troca e a saída de notas pela mão de turistas.

O prazo final para a troca de dinheiro termina em 2022, mas há exceções e algumas notas só se podem trocar até 2018.

  • A vila do Euro

    Perdidos e Achados

    Como será a vida depois do escudo e já com o euro a entrar na carteira dos portugueses? A pergunta foi feita há dez anos, em finais de 2001. A resposta veio de Arazede, durante um dia, transformada em Vila do Euro. A pequena localidade recebeu o desafio da SIC e entrou numa espécie de jogo para se perceber o que ia mudar. Importante, também, era perceber como iam os portugueses lidar com a moeda comum, depois de uma vivência de quase cem anos com o escudo.

  • Caravana com cinzas de Fidel chega este sábado a Santiago de Cuba
    2:01
  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.