sicnot

Perfil

Economia

Marcha lenta de tratores de produtores de leite e de carne ruma ao Porto

GALERIA DE FOTOS

Largas dezenas de tratores partiram cerca das 11:00 de Vilar, Vila do Conde, numa marcha lenta em direção a Matosinhos, Porto, exigindo medidas para proteger a produção nacional de leite e de carne.

ESTELA SILVA

ESTELA SILVA

ESTELA SILVA

ESTELA SILVA

ESTELA SILVA

Organizada pela Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e pela Associação Portuguesa de Produtores de Leite e Carne (APPLC), em conjunto com outras organizações da lavoura, a iniciativa promete ser "a maior alguma vez realizada pelo setor em Portugal" e prevê ainda protestos junto a dois hipermercados.

O objetivo é "assinalar reclamações específicas perante as práticas comerciais abusivas" de que os produtores acusam as grandes superfícies comerciais e que, garantem, "têm contribuído para a grave crise que arrasa a pecuária nacional", nomeadamente os produtores de leite e carne.

Em declarações à agencia Lusa, o produtor de leite Francisco Cunha disse que só não abandonou ainda a atividade porque não quer "destruir o trabalho que vem do tempo" dos seus avós.

Detentor de uma "exploração média", de 25 hectares, em Vila do Conde, que produz anualmente cerca de um milhão de litros de leite, Francisco Cunha critica "as restrições do mercado" e o baixo preço que é pago à produção por cada litro de leite.

"Por qualquer cêntimo, a grande distribuição decide importar produtos de fora" lamentou o agricultor, afirmando que anualmente Portugal compra ao estrangeiro cerca de 500 milhões de euros de produtos lácteos.

Para Francisco Cunha, que desde 2001, assumiu o controlo da exploração familiar, defende que "indústria e distribuição deviam sentar-se à mesma mesa e distribuir as margens mais corretamente".

"Têm que começar a trabalhar para o bem do [setor] do leite que é um produto essencial", afirmou, apelando ao Governo que "olhe para esta atividade e bata o pé na Comissão Europeia para exigir novos meios para regularizar o mercado e para o produto ser mais bem pago".

As largas dezenas de tratores estão a percorrer a EN 13, em direção ao Porto, numa fila de vários quilómetros, que está a condicionar a circulação rodoviária.

Todos os tratores ostentam a bandeira portuguesa e têm afixados cartazes de protesto com mensagens como "Temos um défice de 200 milhões de euros em produtos lácteos. Porquê?", "O Governo não pode ignorar a nossa situação", "Obrigado a todos os que bebem leite nacional" e "Compre, prefira e exija português".

Ao longo do percurso é visível a presença de vários elementos e viaturas das autoridades policiais.

Os manifestantes dirigem-se à Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte, em Matosinhos, e pretendem levar ainda o protesto junto a dois hipermercados da zona.

A manifestação dos produtores de leite e carne coincide com a deslocação do ministro da Agricultura, Capoulas Santos, a Bruxelas para participar numa reunião dos ministros da Agricultura da União Europeia, que voltará a ter em cima da mesa o tema do leite e da carne suína, e segue-se a uma manifestação de suinicultores em Lisboa, na sexta-feira passada.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.