sicnot

Perfil

Economia

Caixabank vai comprar posição de Isabel dos Santos no BPI

O Caixabank e Isabel dos Santos já chegaram ao princípio de um acordo que envolve a venda da posição sobre o BPI, acordo este que permite o reforço dos espanhóis no banco português.

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Em contrapartida, a empresária fica com a maioria do BFA, cujo controlo era detido, até agora, pelo próprio BPI.
A SIC sabe que o Governo não vai opor-se e as negociações tivera, o envolvimento direto de António Costa.
Para a formalização do acordo falta a aprovação da Unitel e das assembleias gerais dos bancos envolvidos, BPI e BFA.

  • Isabel dos Santos pode estar de saída do BPI
    1:23

    Economia

    A empresária angolana, Isabel dos Santos, estará a negociar a venda da participação que tem no BPI ao Caixabank que já é dono de 45% do banco. O espanhol Caixabank já confirmou que tem mantido contacto com a Santoro de Isabel dos Santos mas não diz quais são as alternativas.

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.