sicnot

Perfil

Economia

Caixabank vai comprar posição de Isabel dos Santos no BPI

O Caixabank e Isabel dos Santos já chegaram ao princípio de um acordo que envolve a venda da posição sobre o BPI, acordo este que permite o reforço dos espanhóis no banco português.

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

"Por solicitação da Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informa-se que o Banco de Portugal notificou o banco BPI de que a sua proposta não foi selecionada para a terceira fase do procedimento de alienação do Novo Banco", refere o BPI em nota enviada à CMVM. (Arquivo)

© Hugo Correia / Reuters

Em contrapartida, a empresária fica com a maioria do BFA, cujo controlo era detido, até agora, pelo próprio BPI.
A SIC sabe que o Governo não vai opor-se e as negociações tivera, o envolvimento direto de António Costa.
Para a formalização do acordo falta a aprovação da Unitel e das assembleias gerais dos bancos envolvidos, BPI e BFA.

  • Isabel dos Santos pode estar de saída do BPI
    1:23

    Economia

    A empresária angolana, Isabel dos Santos, estará a negociar a venda da participação que tem no BPI ao Caixabank que já é dono de 45% do banco. O espanhol Caixabank já confirmou que tem mantido contacto com a Santoro de Isabel dos Santos mas não diz quais são as alternativas.

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão