sicnot

Perfil

Economia

Energia e água lideram queixas à Deco em 2015

A Deco recebeu 700 mil queixas de consumidores no ano passado, mais 24% do que em 2014, e pela primeira vez o setor da energia e água liderou as queixas e ultrapassou o das telecomunicações.

© Aly Song / Reuters

Quase há 10 anos que o setor das telecomunicações registava o maior número de reclamações à Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor - Deco, mas a devolução de cauções de água e eletricidade (indevidamente cobradas) e os processos de mudança de comercializador de energia motivaram no ano passado uma maior concentração de queixas.

"Este aumento deveu-se, em grande medida, aos 100 mil processos de devolução de caução. As reclamações nos setores mais reclamados continuaram a sê-lo em 2014, mas houve um acentuado aumento no setor da energia, nomeadamente sobre a mudança de comercializador", contou à Lusa Ana Sofia Ferreira, jurista da Deco.

Das 700 mil reclamações à Deco, 152.751 foram de energia e água, 50.353 de telecomunicações, 35.275 sobre compra e venda e 24.927 sobre o setor da banca e seguros.

A falta de transparência no processo de mudança de comercializador de energia, nomeadamente a dupla faturação, falta de informação, tempo excessivo para a efetivação da mudança, práticas comerciais desleais, e a devolução de cauções indevidamente cobradas são os principais motivos de reclamação à associação.

Só o processo de devolução de cauções dos serviços de energia e água foi responsável por 100 mil reclamações de portugueses à Deco, mas mesmo descontadas estas queixas o setor da energia e água continua a ser mais reclamado do que o das telecomunicações (mais 2.398 reclamações).

A jurista da Deco destaca que, dentro do setor mais reclamado, há "uma grande diferença" na quantidade de reclamações da energia face às da água: "A energia arrecadou mais de 49 mil queixas e a água 3.700".

No entanto, esclarece Ana Sofia Ferreira, nos 100 mil processos das cauções, a água teve uma importância muito grande, pois é no setor da água que muitos consumidores não têm conseguido receber a caução a que têm direito.

Em 2014, a Deco recebeu quase 550 mil queixas de consumidores, mais 9,5% do que em 2013, tendo sido o setor das telecomunicações, com quase 60 mil reclamações, o mais reclamado, também devido a problemas de dupla faturação, práticas agressivas ou enganosas dos comerciais, publicidade enganosa e a fidelização.

Ainda em 2014, e ao contrário de 2013, o segundo setor mais reclamado foi o da compra e venda (28 mil queixas), em especial por causa das vendas 'online', à distância e porta a porta.

As estatísticas da Deco foram divulgadas hoje, Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, que se celebra a 15 de março.

Lusa

  • Passos começou a fazer oposição

    Bernardo Ferrão

    É inegável a habilidade política de António Costa mas no caso da TSU e do acordo de Concertação Social só cai quem quer. A verdade dos factos é que o primeiro-ministro fechou um acordo sabendo que não o podia cumprir. E agora tenta desviar-nos o olhar para o PSD, como se fosse ele o culpado, quando o problema está na geringonça. Antes de atacar Passos, Costa devia resolver os problemas em casa com o PCP e BE.

    Bernardo Ferrão

  • PSD está a "perder terreno" na escolha de candidato a Lisboa
    1:46

    País

    Quem o diz é Luís Marques Mendes: o PSD perde na demora da escolha de um candidato para a Câmara de Lisboa. O líder Passos Coelho rejeita apoiar a candidatura de Assunção Cristas e garante que o partido vai ter um candidato próprio. Segundo o comentador da SIC, o último convite foi dirigido a José Eduardo Moniz.

  • Trump não escreve todos os tweets, mas dita-os

    Mundo

    O Presidente eleito dos EUA não escreve todos os tweets que são publicados na sua conta desta rede social, mas dita-os aos seus funcionários. Numa entrevista a um ex-secretário de Estado britânico, Donald Trump explica como usa a sua conta e garante que depois de ser investido Presidente, vai continuar a usar o Twitter para defender-se da "imprensa desonesta".

  • Depressão pode ser mais prejudicial para o coração do que a hipertensão

    Mundo

    Um estudo recente estabelece uma nova ligação entre depressão e distúrbios cardíacos. De acordo com a investigação publicada na revista Atheroscleroses, o risco de vir a sofrer de uma doença cardíaca grave é quase tão elevado para os homens que sofram de depressão, do que para os que tenham colesterol elevado ou obesidade, e pode mesmo ser maior do que para os que sofram de hipertensão.