sicnot

Perfil

Economia

Energia e água lideram queixas à Deco em 2015

A Deco recebeu 700 mil queixas de consumidores no ano passado, mais 24% do que em 2014, e pela primeira vez o setor da energia e água liderou as queixas e ultrapassou o das telecomunicações.

© Aly Song / Reuters

Quase há 10 anos que o setor das telecomunicações registava o maior número de reclamações à Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor - Deco, mas a devolução de cauções de água e eletricidade (indevidamente cobradas) e os processos de mudança de comercializador de energia motivaram no ano passado uma maior concentração de queixas.

"Este aumento deveu-se, em grande medida, aos 100 mil processos de devolução de caução. As reclamações nos setores mais reclamados continuaram a sê-lo em 2014, mas houve um acentuado aumento no setor da energia, nomeadamente sobre a mudança de comercializador", contou à Lusa Ana Sofia Ferreira, jurista da Deco.

Das 700 mil reclamações à Deco, 152.751 foram de energia e água, 50.353 de telecomunicações, 35.275 sobre compra e venda e 24.927 sobre o setor da banca e seguros.

A falta de transparência no processo de mudança de comercializador de energia, nomeadamente a dupla faturação, falta de informação, tempo excessivo para a efetivação da mudança, práticas comerciais desleais, e a devolução de cauções indevidamente cobradas são os principais motivos de reclamação à associação.

Só o processo de devolução de cauções dos serviços de energia e água foi responsável por 100 mil reclamações de portugueses à Deco, mas mesmo descontadas estas queixas o setor da energia e água continua a ser mais reclamado do que o das telecomunicações (mais 2.398 reclamações).

A jurista da Deco destaca que, dentro do setor mais reclamado, há "uma grande diferença" na quantidade de reclamações da energia face às da água: "A energia arrecadou mais de 49 mil queixas e a água 3.700".

No entanto, esclarece Ana Sofia Ferreira, nos 100 mil processos das cauções, a água teve uma importância muito grande, pois é no setor da água que muitos consumidores não têm conseguido receber a caução a que têm direito.

Em 2014, a Deco recebeu quase 550 mil queixas de consumidores, mais 9,5% do que em 2013, tendo sido o setor das telecomunicações, com quase 60 mil reclamações, o mais reclamado, também devido a problemas de dupla faturação, práticas agressivas ou enganosas dos comerciais, publicidade enganosa e a fidelização.

Ainda em 2014, e ao contrário de 2013, o segundo setor mais reclamado foi o da compra e venda (28 mil queixas), em especial por causa das vendas 'online', à distância e porta a porta.

As estatísticas da Deco foram divulgadas hoje, Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, que se celebra a 15 de março.

Lusa

  • Costa preparado para falar da renegociação da dívida no plano europeu
    2:24

    Economia

    O primeiro-ministro não quer quebrar com as regras impostas pela UE e não vai dar o primeiro passo na renegociação da dívida, mas estará na linha da frente quando Bruxelas ceder. Em entrevista à RTP, António Costa garante que o Governo cumpriu tudo aquilo que acordou com o presidente demissionário da Caixa Geral de Depósitos, António Domingues.

  • Benfica persegue oitavos da Liga dos Campeões

    Desporto

    O Benfica tenta hoje a qualificar-se para os oitavos de final da Liga dos Campeões de futebol, procurando uma vitória na receção ao Nápoles que lhe permita vencer o Grupo H e manter-se a salvo do perseguidor Besiktas.

  • Parkinson pode ter início nos intestinos

    Mundo

    Um novo estudo científico vem revelar que a doença de Parkinson pode não estar apenas no cérebro. A doença pode ter início nos intestinos e mais tarde migrar para o cérebro.

  • Nova Deli é "altamente tóxica" para os cidadãos

    Mundo

    Nova Deli foi considerada altamente tóxica para os cidadãos. A capital da Índia é considerada há mais de três anos a cidade mais poluída do mundo, mas só este ano se concluiu que é tão tóxica que é capaz de provocar doenças crónicas a quem lá vive.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.