sicnot

Perfil

Economia

Energia e água lideram queixas à Deco em 2015

A Deco recebeu 700 mil queixas de consumidores no ano passado, mais 24% do que em 2014, e pela primeira vez o setor da energia e água liderou as queixas e ultrapassou o das telecomunicações.

© Aly Song / Reuters

Quase há 10 anos que o setor das telecomunicações registava o maior número de reclamações à Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor - Deco, mas a devolução de cauções de água e eletricidade (indevidamente cobradas) e os processos de mudança de comercializador de energia motivaram no ano passado uma maior concentração de queixas.

"Este aumento deveu-se, em grande medida, aos 100 mil processos de devolução de caução. As reclamações nos setores mais reclamados continuaram a sê-lo em 2014, mas houve um acentuado aumento no setor da energia, nomeadamente sobre a mudança de comercializador", contou à Lusa Ana Sofia Ferreira, jurista da Deco.

Das 700 mil reclamações à Deco, 152.751 foram de energia e água, 50.353 de telecomunicações, 35.275 sobre compra e venda e 24.927 sobre o setor da banca e seguros.

A falta de transparência no processo de mudança de comercializador de energia, nomeadamente a dupla faturação, falta de informação, tempo excessivo para a efetivação da mudança, práticas comerciais desleais, e a devolução de cauções indevidamente cobradas são os principais motivos de reclamação à associação.

Só o processo de devolução de cauções dos serviços de energia e água foi responsável por 100 mil reclamações de portugueses à Deco, mas mesmo descontadas estas queixas o setor da energia e água continua a ser mais reclamado do que o das telecomunicações (mais 2.398 reclamações).

A jurista da Deco destaca que, dentro do setor mais reclamado, há "uma grande diferença" na quantidade de reclamações da energia face às da água: "A energia arrecadou mais de 49 mil queixas e a água 3.700".

No entanto, esclarece Ana Sofia Ferreira, nos 100 mil processos das cauções, a água teve uma importância muito grande, pois é no setor da água que muitos consumidores não têm conseguido receber a caução a que têm direito.

Em 2014, a Deco recebeu quase 550 mil queixas de consumidores, mais 9,5% do que em 2013, tendo sido o setor das telecomunicações, com quase 60 mil reclamações, o mais reclamado, também devido a problemas de dupla faturação, práticas agressivas ou enganosas dos comerciais, publicidade enganosa e a fidelização.

Ainda em 2014, e ao contrário de 2013, o segundo setor mais reclamado foi o da compra e venda (28 mil queixas), em especial por causa das vendas 'online', à distância e porta a porta.

As estatísticas da Deco foram divulgadas hoje, Dia Mundial dos Direitos do Consumidor, que se celebra a 15 de março.

Lusa

  • Reclusos que fugiram de Caxias tiveram cúmplices
    1:59

    País

    Uma falha de Portugal poderá explicar a libertação de um dos dois chilenos que fugiram de Caxias e foram apanhados em Espanha. As autoridades portuguesas atrasaram-se a enviar o mandado de detenção e a polícia espanhola libertou o fugitivo. Na investigação da fuga, acredita-se que os 3 reclusos tiveram cúmplices e a namorada de um deles já foi interrogada.

  • Jovem indiano acorda a caminho do próprio funeral

    Mundo

    Um jovem indiano chocou os seus parente e amigos, depois de acordar no caminho para o seu próprio funeral. No mês antes, Kumar Marewad foi levado para o hospital após ser mordido por um cão de rua, ficando em estado grave.

  • Bilhete de desculpas valeu uma bolsa de estudo

    Mundo

    Um jovem chinês ganhou uma bolsa de estudos no valor de 10 mil yuan (cerca de 1.380 euros), depois de danificar acidentalmente um carro de luxo. Isto, porque após os estragos, o jovem deixou um bilhete de desculpas ao dono, assim como todo o dinheiro que tinha com ele, como compensação.