sicnot

Perfil

Economia

Trabalhadores da TST em greve para analisar situação da empresa

Trabalhadores da Transportes Sul do Tejo (TST) vão realizar hoje uma greve de 24 horas e um plenário para discutir a situação da empresa, que dizem estar a causar o seu empobrecimento.

João Saúde espera que o plenário seja muito participado.

João Saúde espera que o plenário seja muito participado.

(Arquivo SIC)

"Os trabalhadores vão realizar um plenário na manhã de terça-feira no Laranjeiro, em Almada. Avançámos com um pré-aviso de greve entre as 03:00 de dia 15 e as 03:00 de dia 16 de março, de modo a permitir que todos os trabalhadores possam estar presentes no plenário", explicou ontem João Saúde, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans).

A rodoviária Transportes Sul do Tejo desenvolve a sua atividade na península de Setúbal e serve os concelhos de Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal, incluindo ligações a Lisboa.

O sindicalista referiu que a empresa decidiu encerrar o processo de negociação coletiva, com uma atualização salarial de 1%, e explicou que os trabalhadores "estão a seguir a passos largos rumo ao salário mínimo".

"Foram três reuniões e não houve negociação nenhuma, avançaram com um ato de gestão de 1%. Os trabalhadores dos TST trabalham todos os dias e estão a empobrecer", explicou.

João Saúde espera que o plenário seja muito participado e reconhece que isso provocará "fortes perturbações na circulação".

"Esta não é ainda uma forma de luta, mas sim uma forma de saber o que os trabalhadores querem fazer", referiu.

O sindicalista explicou ainda que também os utentes estão a ser afetados, já que as tarifas "estão cada vez mais caras e o serviço pior".

"As pessoas sabem que muitos dos horários previstos ficam por cumprir. Existem muitos autocarros imobilizados nas oficinas, pois a empresa tem uma elevada taxa de imobilização, e isso traduz-se na redução de oferta. As pessoas estão na paragem e não sabem se o autocarro vai passar", salientou.

Fonte oficial da empresa TST confirmou à Lusa a receção do aviso-prévio de greve por parte da Fectrans para o dia 15 de março e explicou que vai fazer os "ajustes necessários" para que os clientes sejam o menos afetados possível.

"Quanto ao processo de negociação salarial, foi aplicada uma atualização salarial de 1%, valor este acima da taxa de inflação esperada, com efeito a partir de 01 de janeiro deste ano. Um enorme esforço financeiro que a TST fará, de forma a manter os postos de trabalho dos seus colaboradores", referiu.

Segundo a mesma fonte, a empresa tem vindo a perder clientes, consecutivamente, nos últimos cinco anos, apresentando no último ano um resultado líquido negativo.

"Relativamente aos serviços prestados, a TST está em constante monitorização dos seus serviços, através da afetação de mais meios e da reorganização de carreiras, de forma melhorar a sua oferta", concluiu.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.