sicnot

Perfil

Economia

CaixaBank e Santoro ainda sem acordo sobre BPI

O CaixaBank, acionista espanhol do BPI, afirmou hoje que ainda não chegou a um acordo com a Santoro, de Isabel dos Santos, mas ressalvou que continuam em contacto para encontrar uma solução "aceitável para todas as partes".

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Relativamente a determinadas notícias publicadas sobre a sua participação no BPI, o CaixaBank informa que não chegou, na data de hoje, a um acordo com o acionista do BPI, Santoro -- Finance Prestação de Serviços", lê-se num comunicado divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O CaixaBank afirma ainda que "continua a manter contactos com a Santoro -- Finance Prestação de Serviços, a fim de encontrar uma solução que possa ser aceitável para todas as partes interessadas e informará o mercado oportunamente sobre o resultado desses contactos".

O comunicado foi divulgado após uma notícia do Expresso que, na terça-feira, dava conta da existência de um acordo final praticamente fechado entre as duas partes.

Hoje, a imprensa retoma o tema, com o Diário Económico a escrever que "Isabel dos Santos e o CaixaBank estão a ultimar o acordo para desbloquear o impasse acionista no BPI, abrindo a porta ao controlo do banco português pelos catalães e a entrega do angolano BFA à empresária", acrescentando que tal acordo "permitirá ao BPI cumprir a exigência do BCE de redução da exposição ao risco em Angola".

O Jornal de Negócio noticia que "Isabel dos Santos e CaixaBank já têm preço para acordo no BPI" e o Diário de Notícia refere que "CaixaBank e Isabel dos Santos finalizam acordo para BPI", referindo que o controlo do BPI "coloca CaixaBank na luta pelo novo banco".

Os principais acionistas do BPI, Santoro e Caixabank, informaram a 02 de março que estavam em contacto para alcançar uma solução para banco que cumpra as regras do Banco Central Europeu (BCE) relativas à presença em Angola, mas que ainda não tinham chegado a acordo.

O Caixabank é o principal acionista do BPI, com 44,10% do capital social, apesar de só poder exercer 20% dos votos devido à blindagem dos estatutos, enquanto a Santoro detém 18,58% do capital.

Angola é um dos países que o BCE considera que não tem uma regulação e supervisão semelhantes à existente da União Europeia, o que obriga o BPI a ajustar a sua exposição ao mercado angolano, onde detém o controlo do BFA, com 50,1%, tendo a instituição liderada por Mario Draghi dado o prazo até 10 de abril para que se resolva esse problema.

No entanto, este assunto tem provocado divergência entre os dois principais acionistas do banco, o espanhol Caixabank e a angolana Santoro.

O primeiro plano da administração liderada por Fernando Ulrich para cumprir os requisitos dos grandes riscos BCE passava por fazer a cisão dos ativos africanos do BPI (em Angola mas também em Moçambique), passando-os para uma holding independente detida pelos mesmos acionistas.

No entanto, essa proposta não contou com o apoio de Isabel dos Santos e acabou chumbada na assembleia-geral de 05 de fevereiro último.

A alternativa passava então pela operadora angolana Unitel - detida também por Isabel dos Santos (em 25%) e que controla 49,9% do BFA - comprar uma parte adicional do BFA, o que permitiria ao banco português reduzir a exposição a Angola.

Então, a Unitel ofereceu 140 milhões de euros por 10% dos 50,1% que estão nas mãos do BPI. No entanto, o Conselho de Administração do banco considerou em janeiro que essa não era uma boa solução. De acordo com as indicações dadas por Fernando Ulrich na conferência de imprensa de apresentação dos resultados anuais do banco, essa solução também não seria do agrado do BCE.

Com essas propostas travadas, uma das hipóteses que se tem falado agora passa por eliminar o limite de votos nas empresas, que atualmente permite que o Caixabank só possa votar nas assembleias-gerais do BPI com o máximo de 20%, apesar de ter 44,10% do capital social.

O Conselho de Administração do BPI propôs já alterar os estatutos do banco para eliminar essa alínea, que na prática dá poder de veto a Isabel dos Santos, mas até ao momento ainda não foi marcada data para a assembleia-geral que irá votar essa proposta.

Fala-se também que a desblindagem de estatutos poderá passar por uma alteração à lei, passando assim para a legislação uma recomendação da CMVM. No entanto, tal implica a intervenção do Governo, o que poderá ser mal entendido, por ir de encontro a este caso específico do BPI.

A operação em Angola é a jóia da coroa do BPI, sendo que, em 2015, mais de 50% do lucro do banco veio de Angola, ou seja, 135,7 milhões de euros num total de 236,4 milhões.

As ações do BPI seguiam a subir 5,82% para 1,29 euros, pelas 09:40, na bolsa de Lisboa.

Lusa

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59