sicnot

Perfil

Economia

CaixaBank e Santoro ainda sem acordo sobre BPI

O CaixaBank, acionista espanhol do BPI, afirmou hoje que ainda não chegou a um acordo com a Santoro, de Isabel dos Santos, mas ressalvou que continuam em contacto para encontrar uma solução "aceitável para todas as partes".

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

"Relativamente a determinadas notícias publicadas sobre a sua participação no BPI, o CaixaBank informa que não chegou, na data de hoje, a um acordo com o acionista do BPI, Santoro -- Finance Prestação de Serviços", lê-se num comunicado divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O CaixaBank afirma ainda que "continua a manter contactos com a Santoro -- Finance Prestação de Serviços, a fim de encontrar uma solução que possa ser aceitável para todas as partes interessadas e informará o mercado oportunamente sobre o resultado desses contactos".

O comunicado foi divulgado após uma notícia do Expresso que, na terça-feira, dava conta da existência de um acordo final praticamente fechado entre as duas partes.

Hoje, a imprensa retoma o tema, com o Diário Económico a escrever que "Isabel dos Santos e o CaixaBank estão a ultimar o acordo para desbloquear o impasse acionista no BPI, abrindo a porta ao controlo do banco português pelos catalães e a entrega do angolano BFA à empresária", acrescentando que tal acordo "permitirá ao BPI cumprir a exigência do BCE de redução da exposição ao risco em Angola".

O Jornal de Negócio noticia que "Isabel dos Santos e CaixaBank já têm preço para acordo no BPI" e o Diário de Notícia refere que "CaixaBank e Isabel dos Santos finalizam acordo para BPI", referindo que o controlo do BPI "coloca CaixaBank na luta pelo novo banco".

Os principais acionistas do BPI, Santoro e Caixabank, informaram a 02 de março que estavam em contacto para alcançar uma solução para banco que cumpra as regras do Banco Central Europeu (BCE) relativas à presença em Angola, mas que ainda não tinham chegado a acordo.

O Caixabank é o principal acionista do BPI, com 44,10% do capital social, apesar de só poder exercer 20% dos votos devido à blindagem dos estatutos, enquanto a Santoro detém 18,58% do capital.

Angola é um dos países que o BCE considera que não tem uma regulação e supervisão semelhantes à existente da União Europeia, o que obriga o BPI a ajustar a sua exposição ao mercado angolano, onde detém o controlo do BFA, com 50,1%, tendo a instituição liderada por Mario Draghi dado o prazo até 10 de abril para que se resolva esse problema.

No entanto, este assunto tem provocado divergência entre os dois principais acionistas do banco, o espanhol Caixabank e a angolana Santoro.

O primeiro plano da administração liderada por Fernando Ulrich para cumprir os requisitos dos grandes riscos BCE passava por fazer a cisão dos ativos africanos do BPI (em Angola mas também em Moçambique), passando-os para uma holding independente detida pelos mesmos acionistas.

No entanto, essa proposta não contou com o apoio de Isabel dos Santos e acabou chumbada na assembleia-geral de 05 de fevereiro último.

A alternativa passava então pela operadora angolana Unitel - detida também por Isabel dos Santos (em 25%) e que controla 49,9% do BFA - comprar uma parte adicional do BFA, o que permitiria ao banco português reduzir a exposição a Angola.

Então, a Unitel ofereceu 140 milhões de euros por 10% dos 50,1% que estão nas mãos do BPI. No entanto, o Conselho de Administração do banco considerou em janeiro que essa não era uma boa solução. De acordo com as indicações dadas por Fernando Ulrich na conferência de imprensa de apresentação dos resultados anuais do banco, essa solução também não seria do agrado do BCE.

Com essas propostas travadas, uma das hipóteses que se tem falado agora passa por eliminar o limite de votos nas empresas, que atualmente permite que o Caixabank só possa votar nas assembleias-gerais do BPI com o máximo de 20%, apesar de ter 44,10% do capital social.

O Conselho de Administração do BPI propôs já alterar os estatutos do banco para eliminar essa alínea, que na prática dá poder de veto a Isabel dos Santos, mas até ao momento ainda não foi marcada data para a assembleia-geral que irá votar essa proposta.

Fala-se também que a desblindagem de estatutos poderá passar por uma alteração à lei, passando assim para a legislação uma recomendação da CMVM. No entanto, tal implica a intervenção do Governo, o que poderá ser mal entendido, por ir de encontro a este caso específico do BPI.

A operação em Angola é a jóia da coroa do BPI, sendo que, em 2015, mais de 50% do lucro do banco veio de Angola, ou seja, 135,7 milhões de euros num total de 236,4 milhões.

As ações do BPI seguiam a subir 5,82% para 1,29 euros, pelas 09:40, na bolsa de Lisboa.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.