sicnot

Perfil

Economia

Parlamento venezuelano chumba prolongamento do estado de emergência económica

O parlamento venezuelano, onde a oposição é maioria, chumbou hoje um decreto presidencial que prolongava, por 60 dias, o estado de Emergência Económica, decretado em janeiro pelo Presidente Nicolás Maduro, para fazer face à crise alimentar e económica.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

Apesar de chumbar o decreto, a oposição aprovou um acordo manifestando que vai fazer algumas sugestões ao Executivo, com base em propostas feitas pelo Chefe de Estado, sobre possíveis medidas para "corrigir o rumo estadista e rentista (dependente da renda petrolífera) da política económica imperante".

Durante a sessão o deputado e economista opositor, José Guerra, questionou a não comparecência do presidente do Banco Central da Venezuela, Nelson Merentes, para dar dados reais sobre a situação económica venezuelana.

"Temos um presidente do Banco Central que se nega a explicar a crise na Venezuela. Assumam (Governo) a vossa responsabilidade, que estamos na disposição de ajudá-los a melhorar este país", disse José Guerra, que acusou o Governo de ter tentado "solucionar a crise fiscal agravando a crise do povo".

Por outro lado, o vice-presidente do parlamento, Simón Calzadilla, criticou que o Governo venezuelano aponte como responsáveis pela crise uma alegada "guerra económica" contra Nicolás Maduro, "um portal de Internet" que dá a cotação não oficial do dólar e a descida internacional dos preços do petróleo.

"A credibilidade do Governo é mais escassa que os dólares, (...) se este Governo quer recuperar a sua credibilidade, que assuma a responsabilidade pelo que vivem os venezuelanos, que tem sido por um mau governo, que não tem sido por falta de recursos, mas por um modelo equivocado, por não lutar contra a corrupção", disse.

Por outro lado, o deputado Héctor Rodríguez, líder da bancada do Partido Socialista Unido da Venezuela, acusou os opositores de estarem "ajoelhados perante os interesses dos Estados Unidos" e de terem uma "atitude apátrida".

Segundo o socialista Ramón Lobo, o Decreto de Emergência Económica promulgado pelo Presidente Nicolás Maduro tem procurado priorizar o setor alimentar, farmacêutico e de habitação social.

O Presidente prolongou, na segunda-feira, por mais 60 dias o estado de Emergência Económica, mas o parlamento travou hoje esta medida.

A 22 de janeiro, o parlamento venezuelano chumbou o Decreto de Emergência Económica, assinado a 16 de janeiro pelo Presidente para fazer face à crise alimentar e económica que assola o país.

A oposição considerou que o decreto em questão poderia restringir garantias constitucionais e aprofundar a intervenção do Estado nas empresas privadas, além de estar redigido de maneira a outorgar ao Presidente Nicolás Maduro poderes especiais.

Segundo o decreto, entre outras medidas, o Estado pode "dispor dos recursos provenientes do orçamento de Estado" para "garantir o investimento que assegure a continuidade das missões sociais, investimentos na infraestrutura produtiva, agrícola e industrial e o abastecimento oportuno de alimentos e produtos essenciais".

No entanto, a 11 de fevereiro, o Supremo Tribunal de Justiça declarou que o decreto do Presidente Nicolás Maduro está em vigor.

A legislação venezuelana prevê que o decreto de emergência nacional pode ser prorrogado até por duas vezes, sendo necessária a aprovação do parlamento venezuelano.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57

    País

    Tondela foi um dos municípios mais atingidos pelo incêndio, deixando dezenas de animais feridos e perdidos no concelho. Várias clínicas veterinárias são agora um porto de abrigo e, em alguns casos, um ponto de encontro. Muitos dos animais chegaram recolhidos por voluntários e a maior parte dos casos são animais que, no momento de aflição, foram soltos pelos donos e salvos pelo instituto de sobrevivência.

  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31