sicnot

Perfil

Economia

Salários da ANAC tiveram como referências primeiro-ministro e governador do BdP

A Comissão de Vencimentos da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) decidiu o aumento de salários de gestores do regulador da aviação tendo como referência superior o vencimento do governador do Banco de Portugal e inferior o do primeiro-ministro.

© Thierry Roge / Reuters

"Pareceu-nos que devia ser considerado como referência superior, não alcançável, a remuneração do Banco de Portugal e como referência inferior o vencimento do primeiro-ministro", afirmou Eduardo Cardadeiro, um dos três membros da comissão de vencimentos da ANAC, em audição no parlamento, em resposta ao deputado do CDS-PP Pedro Mota Soares.

A 26 de outubro passado, a comissão de vencimentos da ANAC decidiu por unanimidade fixar o vencimento mensal em 12.400 euros para o presidente, 11.160 euros para o vice-presidente e 9.920 euros para o vogal.

O valor da remuneração mensal do governador do Banco de Portugal, utilizado como referencial máximo, é de 13.268 euros.

Questionado pelo deputado do PCP Bruno Dias sobre a opção por esta referência, Eduardo Cardadeiro defendeu a decisão, considerando-a "consistente com a evolução destas entidades", referindo-se ao reforço de poder do Instituto Nacional da Aviação Civil, que passou a ANAC.

"Não achámos estranho e considerámos consistente com a evolução destas entidades. Houve um upgrade dos institutos a entidades reguladores independentes, com mais funções e mais responsabilidade. Foi o racional que para nós fez sentido", acrescentou.

Dos três membros da Comissão de Vencimentos do supervisor da aviação estiveram presentes Eduardo Cardadeiro, escolhido pelo Ministério da Economia, e Luís Pires, nomeado pelo Ministério das Finanças, ficando a faltar o membro indicado pela ANAC, Luís Almeida.

Lusa

  • Younes Abouyaaqoub, o homem mais procurado de Espanha
    1:53
  • Vila de Gavião viu-se cercada pelas chamas
    2:17
  • Telemóveis pessoais foram alternativa ao SIRESP no Sardoal
    1:20

    País

    O presidente da Câmara Municipal do Sardoal disse hoje que a rede SIRESP voltou a falhar durante os últimos cinco dias. Miguel Borges acrescentou que os operacionais no terreno recorreram várias vezes aos seus telemóveis particulares para comunicar.

  • Costa desafia PSD para pacto depois das autárquicas
    1:14