sicnot

Perfil

Economia

Sempre que há problemas na banca inferniza-se as instituições honestas, diz diretor BPI

O diretor-central do BPI, Fernando Costa Lima, criticou hoje o excesso de burocracia na regulação bancária e lamentou que a resposta a um problema seja "sempre a mesma", levando a um "infernizar das instituições honestas".

Durante uma conferência sobre "Regulação Financeira e Proporcionalidade", organizada pelos Amigos do Museu Nacional Soares dos Reis no auditório daquele espaço, no Porto, o antigo presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) disse que o "principal problema da regulação financeira" é a perceção de que esta não tem custos, o que gera aquilo a "que se pode chamar desproporcionalidade da regulação financeira", com os seus respetivos custos para as entidades abrangidas.

"Não há nada como um bocadinho de demagogia e populismo para vir pedir mais regulação, mais intervenção, mais uma regra", afirmou Costa Lima, antes de realçar: "Em boa verdade, nós para exercermos uma atividade profissional, seja ela qual for, mesmo a atividade bancária, diria que quase bastariam os 10 Mandamentos, mas o que acontece é que há depois os 150 submandamentos que são desdobrados em 10 regras de interpretação, mais 150 normas de conduta e já não se sabe bem o que é uma pessoa está obrigada a fazer".

O que, na opinião do administrador do Banco Português de Investimento, conduz a algo que designa de "papersuasion" ['persuasão pelo papel' em inglês]: "o regulador faz persuasão através da quantidade de papel que consegue atirar para cima dos regulados".

Ao longo da conferência, que durou mais de uma hora, o primeiro presidente da CMVM criticou aquilo que classificou como um "inferno burocrático de regras, de relatórios".

"Costumo dizer que sempre que há um problema no sistema financeiro a tendência é sempre a mesma: infernizar as instituições honestas que ficaram no mercado com mais exigências, com mais papelada, com mais relatórios, essa é a tendência normal, mas que é certamente desproporcional", declarou Fernando Costa Lima, frisando que "hoje em dia a regulação no setor bancário na Europa é excessivamente complexa e muito provavelmente desnecessariamente complexa".

"Sempre que há um escândalo financeiro, regulação para cima. E dá a sensação de que não há nada que uma nova lei não resolva", afirmou Costa Lima.

Em simultâneo, essa desproporcionalidade gera também uma tendência para a consolidação e concentração ao nível do sistema financeiro: "Quanto maiores forem os custos da regulação para uma determinada atividade, maior é a tendência para as entidades pequenas desaparecerem por não conseguirem ter massa crítica para cobrir esses custos exagerados de regulação".

Lusa

  • CaixaBank e Santoro ainda sem acordo sobre BPI

    Economia

    O CaixaBank, acionista espanhol do BPI, afirmou hoje que ainda não chegou a um acordo com a Santoro, de Isabel dos Santos, mas ressalvou que continuam em contacto para encontrar uma solução "aceitável para todas as partes".

  • Unitel aprova acordo entre Isabel dos Santos e Caixabank, avança o Expresso
    1:04

    Economia

    O Expresso online avança que os angolanos da Unitel já deram o "sim" ao acordo entre Isabel dos Santos e o Caixabank. Este aval é mais um passo para que seja possível formalizar o acordo entre a empresária angolana e os espanhóis. Entretanto, as ações do BPI tiveram ontem o melhor resultado dos últimos 9 meses, com as notícias da saída de Isabel dos Santos do capital do banco.

  • Milhares protestam contra Donald Trump no Dia do Presidente
    1:55

    Mundo

    Milhares de pessoas voltaram a protestar contra Donald Trump, nos Estados Unidos da América. As marchas em várias cidades aconteceram no feriado que assinala o Dia do Presidente. Os manifestantes exigiram a destituição do chefe de Estado.

  • O mistério da morte do meio irmão de Kim Jong-un
    2:32
  • Acha que conhece o seu país?
    27:42
  • Homens e mulheres nas tarefas domésticas
    2:09

    País

    Nas gerações mais novas, já há sinais de mudança na divisão e partilha de tarefas em casa. No entanto, entre os mais velhos, as tarefas de casa são quase sempre obrigação da mulher. A igualdade entre homens e mulheres é ainda miragem dentro de casa e em termos de salários.