sicnot

Perfil

Economia

Sempre que há problemas na banca inferniza-se as instituições honestas, diz diretor BPI

O diretor-central do BPI, Fernando Costa Lima, criticou hoje o excesso de burocracia na regulação bancária e lamentou que a resposta a um problema seja "sempre a mesma", levando a um "infernizar das instituições honestas".

Durante uma conferência sobre "Regulação Financeira e Proporcionalidade", organizada pelos Amigos do Museu Nacional Soares dos Reis no auditório daquele espaço, no Porto, o antigo presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) disse que o "principal problema da regulação financeira" é a perceção de que esta não tem custos, o que gera aquilo a "que se pode chamar desproporcionalidade da regulação financeira", com os seus respetivos custos para as entidades abrangidas.

"Não há nada como um bocadinho de demagogia e populismo para vir pedir mais regulação, mais intervenção, mais uma regra", afirmou Costa Lima, antes de realçar: "Em boa verdade, nós para exercermos uma atividade profissional, seja ela qual for, mesmo a atividade bancária, diria que quase bastariam os 10 Mandamentos, mas o que acontece é que há depois os 150 submandamentos que são desdobrados em 10 regras de interpretação, mais 150 normas de conduta e já não se sabe bem o que é uma pessoa está obrigada a fazer".

O que, na opinião do administrador do Banco Português de Investimento, conduz a algo que designa de "papersuasion" ['persuasão pelo papel' em inglês]: "o regulador faz persuasão através da quantidade de papel que consegue atirar para cima dos regulados".

Ao longo da conferência, que durou mais de uma hora, o primeiro presidente da CMVM criticou aquilo que classificou como um "inferno burocrático de regras, de relatórios".

"Costumo dizer que sempre que há um problema no sistema financeiro a tendência é sempre a mesma: infernizar as instituições honestas que ficaram no mercado com mais exigências, com mais papelada, com mais relatórios, essa é a tendência normal, mas que é certamente desproporcional", declarou Fernando Costa Lima, frisando que "hoje em dia a regulação no setor bancário na Europa é excessivamente complexa e muito provavelmente desnecessariamente complexa".

"Sempre que há um escândalo financeiro, regulação para cima. E dá a sensação de que não há nada que uma nova lei não resolva", afirmou Costa Lima.

Em simultâneo, essa desproporcionalidade gera também uma tendência para a consolidação e concentração ao nível do sistema financeiro: "Quanto maiores forem os custos da regulação para uma determinada atividade, maior é a tendência para as entidades pequenas desaparecerem por não conseguirem ter massa crítica para cobrir esses custos exagerados de regulação".

Lusa

  • CaixaBank e Santoro ainda sem acordo sobre BPI

    Economia

    O CaixaBank, acionista espanhol do BPI, afirmou hoje que ainda não chegou a um acordo com a Santoro, de Isabel dos Santos, mas ressalvou que continuam em contacto para encontrar uma solução "aceitável para todas as partes".

  • Unitel aprova acordo entre Isabel dos Santos e Caixabank, avança o Expresso
    1:04

    Economia

    O Expresso online avança que os angolanos da Unitel já deram o "sim" ao acordo entre Isabel dos Santos e o Caixabank. Este aval é mais um passo para que seja possível formalizar o acordo entre a empresária angolana e os espanhóis. Entretanto, as ações do BPI tiveram ontem o melhor resultado dos últimos 9 meses, com as notícias da saída de Isabel dos Santos do capital do banco.

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Violência volta às favelas do Rio de Janeiro
    3:21

    Mundo

    As favelas do Rio de Janeiro voltaram aos níveis de violência dos anos 90. A cidade de Deus foi uma das favelas pacificadas que voltou a registar tiroteios diariamente, os moradores falam de situações de trauma e do medo das crianças.

  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.

  • Cão corre os EUA a entregar águas aos árbitros em jogos de basebol
    0:20