sicnot

Perfil

Economia

Taxistas descontentes após reunião com Governo

Os taxistas defenderam que os 17 milhões de euros anunciados hoje pelo Governo para o setor são uma "moeda de troca" para que se abra a porta à regulamentação da Uber, mas o Ministério do Ambiente refutou a acusação.

(SIC/Arquivo)

"Era urgente que o Governo desse hoje uma resposta. E a resposta que nos foi dada foi: tomem lá 20 ou 22 milhões de euros [pacote pode chegar aos 22 M€], calem a boca, vocês sentam-se connosco no futuro e vamos arranjar forma de mexer na regulamentação para encaixar a Uber lá dentro", afirmou aos jornalistas o presidente da Federação Portuguesa do Táxi, Carlos Ramos, depois de uma reunião com o ministro do Ambiente.

Após três horas de reunião, em Lisboa, também o presidente da Associação Nacional dos Transportes Rodoviários, Florêncio de Almeida, mostrou-se insatisfeito com o encontro "inconclusivo", considerando que o pacote governamental de 10 medidas para a modernização do setor não lhe diz "nada neste momento", pois o único objetivo do encontro era discutir a questão da Uber (plataforma que fornece serviço privado de transporte).

"Não vamos aceitar [este pacote] como moeda de troca. A Uber é o problema que está em cima da mesa e é esse que tem de ser resolvido. Nunca investiram um euro nesta indústria, não é agora que aparecem 17 milhões de euros - o que eu duvido - para nos calar", afirmou Florêncio de Almeida.

O ponto 10 da proposta prende-se com a intenção do Governo em avançar com a regulação do setor e o enquadramento das novas formas de mobilidade. Nesse sentido - sem mencionar diretamente a Uber -, o Ministério do Ambiente quer iniciar o "processo de conversações bilaterais, com vista à harmonização da regulação e do acesso ao mercado do táxi dos setores conexos, garantindo a salvaguarda do interesse público".

O presidente da Federação Portuguesa do Táxi ficou "surpreendido" quando o ministro João Pedro Fernandes apresentou este pacote - pois a único tema previsto a ser discutido era a Uber -, e considerou que esta medida que visa a regulamentação do setor tem um objetivo.

"Há uma ilegalidade em Portugal. Há alguém que representa a República, que neste momento é o senhor ministro ou o Governo, que tem de fazer cumprir a lei. Não aceitamos que nos ponham um pacote que vale 17 ou 20 milhões de euros e em contrapartida deixar encaixar a Uber na futura regulamentação. Não aceitamos isso", sustentou Carlos Ramos.

Depois das duas associações que representam os profissionais de táxis, falou aos jornalistas o secretário de Estado Adjunto e do Ambiente para refutar as acusações.

"Este conjunto de medidas não é para servir de moeda de troca para nada. O ponto 10 do documento, aponta para a frente e para a necessidade de, aqui e ali, se fazer a harmonização regulamentar porque a regulamentação é dinâmica. Agora, não aponta para a entrada nem para a saída de nenhuma plataforma em particular", sublinhou José Mendes.

Segundo o governante, o pacote de medidas visa modernizar o setor dos táxis, podendo "ajudar os taxistas a serem mais competitivos".

Quanto à Uber, o secretário de Estado reiterou que a sua atividade não tem enquadramento legal e deixou a garantia de que a fiscalização é para continuar com vista a punir os operadores de transporte ilegais, quer trabalhem para a Uber ou para outra qualquer plataforma.

O governante disse ainda que está a "ponderar" receber os representantes da Uber, com vista a ouvir todos os intervenientes nesta matéria.

Lusa

  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.