sicnot

Perfil

Economia

Banco CTT abre hoje portas

O Banco CTT abre hoje as portas ao público em 52 balcões espalhados por todo o país. Os serviços bancários vão funcionar dentro das lojas já existentes da rede dos correios. Os responsáveis dos CTT esperam disponibilizar soluções de crédito à habitação até ao final do ano.

© Hugo Correia / Reuters

A nova instituição financeira vai disponibilizar contas à ordem sem custos de manutenção e depósitos a prazo, entre um mês e um ano, com uma taxa de juro fixa de 0,5%. A anuidade do cartão de débito e as transferências também serão livres de custos, revelaram os Correios de Portugal, em comunicado.

"Para quem quiser associar a sua conta Banco CTT ao seu ordenado ou à sua pensão, terá a possibilidade de aceder a um descoberto autorizado", refere ainda o comunicado da empresa liderada por Francisco Lacerda.

O Banco CTT oferece uma conta júnior que pode ser aberta com apenas 25 euros e "com zero custos de manutenção" e, ainda este ano, o banco quer disponibilizar "soluções de crédito à habitação".

Segundo Francisco Lacerda, "o Banco CTT reforça um dos motores de desenvolvimento dos CTT, o dos serviços financeiros, apresenta ao mercado uma proposta atrativa e em linha com a identidade da empresa e consubstancia uma lógica de geração de valor acionista e diversificação do negócio".

"O nosso objetivo é devolver às pessoas um relacionamento com o seu banco assente naquilo que é realmente necessário. O Banco CTT está onde estão as pessoas e tem uma presença digital muito forte, com tecnologias de 'homebanking' e aplicações móveis de última geração", afirmou, por seu turno, o presidente da instituição bancária, Luís Pereira Coutinho.

Os CTT investiram 23,5 milhões de euros no Banco CTT, que compara com os 30 milhões previstos inicialmente.

A nova instituição irá abrir 52 lojas em simultâneo pelos 18 distritos de Portugal, nove das quais nas cidades de Lisboa e Porto. Foram recrutadas 100 pessoas para os serviços centrais, tendo os restantes 500 colaboradores dos CTT recebido formação, em articulação com o Instituto de Formação Bancária.

Com Lusa

  • "Oposição angolana deve atualizar-se"
    0:53

    Mundo

    Alexandra Simeão, antiga vice-ministra da Educação em Angola, mostra-se surpreendida com a rapidez das mudanças introduzidas por João Lourenço no país. A analista política disse ainda à SIC que estas mudanças são uma oportunidade para a oposição angolana se profissionalizar e atualizar.

  • "Estamos vivos"
    11:41
  • Notas e moedas têm os dias contados?
    6:27