sicnot

Perfil

Economia

Saída do Reino Unido da UE custaria 130 mil M€ à economia britânica

Abandonar a União Europeia poderia causar perdas de 100 mil milhões de libras (130 mil milhões de euros) à economia do Reino Unido, segundo um estudo da consultora PwC, encomendado pela Confederação da Indústria Britânica (CIB).

© Phil Noble / Reuters

Os analistas acreditam que o país poderia perder o equivalente a cinco por cento do Produto Interno Bruto (PIB) nos próximos quatro anos se abandonasse o mercado comum após o referendo sobre a permanência na UE, a 23 de junho.

No caso de Londres romper com a União, mas chegando a um acordo de livre comércio com Bruxelas, o impacto económico para o Reino Unido se reduziria a três por cento do PIB, adianta a PwC.

Segundo esses cenários, a taxa de desemprego poderia aumentar entre dois e três por cento, o que colocaria em risco 950 mil postos de trabalho.

A análise sustenta que o crescimento económico reduzir-se-ia entre 2017 e 2020 e poderia chegar a ser nulo em 2017 ou 2018 devido ao impacto no comércio.

"Este estudo mostra muito claramente por que deixar a União seria um passo atrás real para os níveis de vida, o emprego e o crescimento", assinalou a diretora geral da CBI, Carolyn Fairbairn.

Lusa

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.