sicnot

Perfil

Economia

Portugal vai hoje ao mercado para emitir até 1.000M€ em Obrigações do Tesouro

Portugal volta hoje ao mercado para a segunda emissão de longo prazo do trimestre, esperando arrecadar até 1.000 milhões de euros através de dois leilões de Obrigações do Tesouro, com maturidade a cinco e a 14 anos.

Segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), a emissão vai ocorrer pelas 10:30 e as Obrigações do Tesouro (OT) têm maturidades em 15 de abril de 2021 e 15 de fevereiro de 2030, com um montante indicativo global entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.

No último leilão de OT comparável a cinco anos, que ocorreu a 09 de março, o IGCP colocou 594 milhões de euros a uma taxa de juro de 2,03%.

É preciso recuar a 2010 para encontrar um leilão de OT com maturidade próxima dos 14 anos. A 28 de julho desse ano, Portugal colocou 681 milhões de euros em OT com maturidade em outubro de 2023 (13 anos), a uma taxa de juro média de 5,377%.

Mais recentemente, o IGCP tem optado por realizar leilões de OT a 10 anos - e no último com esta maturidade, que ocorreu também a 09 de março, conseguiu colocar 621 milhões de euros a uma taxa de juro de 3,13% - ou com maturidades superiores, com destaque para uma emissão a 22 anos, que ocorreu em outubro do ano passado.

Nesse leilão, Portugal colocou 350 milhões de euros a uma taxa de juro 3,23%.

Lusa

  • Rui Santos revela novos e-mails que envolvem o Benfica
    1:52
    Tempo Extra

    Tempo Extra

    3ª FEIRA 23:00

    No programa da SIC Notícias Tempo Extra, Rui Santos revelou esta terça-feira que o blogue de Hugo Gil, associado ao Benfica, partilhou informação privilegiada da APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol) com várias figuras do clube da Luz.

  • "É preciso namorar bem para que o namoro dê certo"
    2:31
  • Governo vai proibir refeições nos monumentos com estatuto de panteão
    0:53

    País

    O Governo vai acabar com as refeições no Panteão Nacional e em edifícios com estatuto semelhante, como os mosteiros dos Jerónimos e da Batalha. A decisão foi anunciada esta terça-feira pelo ministro da Cultura, no Parlamento. Luís Filipe Castro Mendes esclareceu que a decisão surge no âmbito da revisão do regulamento sobre os monumentos.

  • O Futuro Hoje na maior feira eletrónica de consumo do mundo
    5:14